PSOL se arma para impedir arquivamento do caso Renan

Partido elabora três propostas para garantir continuidade das investigações

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 12h55

O PSOL já elaborou três propostas com objetivo de dar prosseguimento às investigações contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), por possível quebra do decoro parlamentar. A presidente do PSOL, Heloísa Helena, disse nesta quarta-feira, 20, que se o Conselho de Ética do Senado decidir pelo arquivamento do processo ou impedir o aprofundamento dos fatos novos, o partido entrará com nova representação. Além desta alternativa, as outras duas são um mandado de segurança junto ao Supremo Tribunal Federal e uma queixa-crime no Ministério Público. O PSOL já elaborou três propostas com objetivo de dar prosseguimento às investigações contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), por possível quebra do decoro parlamentar. A presidente do PSOL, Heloísa Helena, disse nesta quarta-feira, 20, que se o Conselho de Ética do Senado decidir pelo arquivamento do processo ou impedir o aprofundamento dos fatos novos, o partido entrará com nova representação. Além desta alternativa, as outras duas são um mandado de segurança junto ao Supremo Tribunal Federal e uma queixa-crime no Ministério Público. A reunião do Conselho, inicialmente marcada para às 13h30 foi adiada para as 17 horas, por falta de quórum. Durou apenas quatro minutos a sessão do Conselho de Ética do Senado, para a votação do processo contra o presidente da Casa, Renan Calheiros, por suposta quebra de decoro parlamentar. Sibá anunciou nesta manhã Wellington Salgado, aliado de Renan, como novo relator do caso. Salgado substitui Epitácio Cafeteira (PTB-MA), que está afastado de suas funções por problemas de saúde. Na reunião de sexta-feira, 15, Salgado declarou ser a favor do arquivamento do processo. Renan é acusado de ter pensões pagas pelo lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, a Mônica Veloso, com quem tem uma filha extraconjugal. Sua defesa tenta provar rendimentos próprios para justificar o pagamento das pensões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.