PSOL realiza protesto contra Bush em Brasília

Militantes do PSOL queimaram na manhã desta quarta-feira, 7, um boneco simbólico do presidente dos EUA George W. Bush na frente do Congresso Nacional em Brasília. O ato é um protesto contra a visita de Bush - que chega nesta quinta-feira e fica até sexta-feira - e faz parte de uma série de protestos marcados para acontecer em todo o País. A visita faz parte de um roteiro do presidente dos EUA por cinco países da América Latina. Além dos acordos econômicos previstos na agenda, a passagem de Bush marca posição no embate com seu rival venezuelano Hugo Chávez na disputa por combustíveis no continente. Bush quer incentivar a produção de biocombustíveis para que seja opção ao petróleo da Venezuela. O líder do partido na Câmara, deputado Chico Alencar (RJ), havia dito que a manifestação apresentaria uma espécie de "anticartão" de visitas, enfatizando que Bush desrespeitou resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU) ao invadir o Iraque e não assinou o Protocolo de Kyoto, que limita emissão de gases na atmosfera. "O senhor das armas e poluidor do planeta merece um gesto simbólico no âmbito do parlamento dos que querem Justiça, paz e o desenvolvimento ecologicamente equilibrado", afirmou Alencar na última terça-feira. O líder do PSOL ressaltou que a visita de Bush segue uma estratégia do governo dos EUA contra a autonomia de outros países, como o Equador, a Bolívia e a Venezuela. "É uma visita inoportuna", acrescentou. A deputada Luciana Genro (PSOL-RS) apresentou moção na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional propondo que Bush seja declarado "persona non grata" no Brasil. O requerimento da deputada deverá ser votado pela comissão na reunião desta quarta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.