PSOL quer ouvir Arruda na comissão de reforma política

Para líder do partido na Câmara, Chico Alencar, ex-governador poderia falar sobre 'mazelas do sistema político' e contribuir para as discussões na Casa

Eduardo Bresciani, da Agência Estado

18 de março de 2011 | 19h22

Brasília - O líder do PSOL na Câmara, Chico Alencar (RJ), afirmou que o partido vai pedir à comissão de reforma política para convidar o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda para falar sobre "as mazelas do sistema político brasileiro".

Arruda chegou a ser preso durante as investigações do escândalo que ficou conhecido como "mensalão do DEM" e em entrevista à revista Veja afirmou ter arrecadado recursos para campanhas de políticos de seu partido, além de PSDB, PT e PDT. Sobre a entrevista, o líder do PSOL está articulando com outros deputados e senadores para encaminhar as acusações ao Ministério Público.

Para Alencar, o ex-governador poderia fornecer à comissão da reforma política mais informações sobre o sistema em vigor. "Ele (Arruda) disse que jogou o jogo, dançou conforme a música, então eu acho que seria necessário que o Arruda fosse chamado para a comissão de reforma política para revelar os esquemas que participou e de que foi protagonista e vítima. Essa exposição dele iria ajudar muito a refletir mazelas do sistema político".

O líder do PSOL destacou que Arruda "sabe muito e politicamente não tem mais nada a perder". Para Chico Alencar, esses fatores dão alguma credibilidade ao ex-governador, mas diante do histórico seria necessário ter cautela com as acusações feitas por ele. "Como não há provas, não há provas documentais, temos somente a palavra de um réu e a negativa dos outros. Por isso vamos pedir que o Ministério Público trate do tema", disse.

O pedido que será feito ao MP é que as declarações do ex-governador contra políticos de diversos partidos entrem na investigação sobre o "mensalão do DEM". Segundo Alencar, além do PSOL, o pedido deverá ser endossado por parlamentares de outros partidos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.