PSOL protocola representação contra Sarney e Renan

O PSOL protocolou no começo da tarde representação contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e o ex-presidente da Casa Renan Calheiros (PMDB-AL), para que sejam apuradas as denúncias de irregularidades durante a gestão dos senadores no cargo. "Entramos com representação contra dois presidentes do Senado cujos atos secretos estão em suspeição relevante", afirmou a presidente do partido e ex-senadora, Heloísa Helena. Ela protocolou as representações na Mesa do Senado acompanhada do senador do PSOL, José Nery (PA) e dos três deputados do partido, Chico Alencar (RJ), Ivan Valente (SP) e Lucina Genro (RS).

DENISE MADUEÑO, Agencia Estado

30 de junho de 2009 | 13h02

"Só precisa de ato secreto quem privilegia o banditismo do submundo", afirmou Heloisa Helena. Ao contrário do que havia anunciado na semana passada, o PSOL não entregou representação contra outro ex-presidente da Casa, Garibaldi Alves (PMDB-RN). O deputado Chico Alencar afirmou que Garibaldi enviou uma carta para toda a bancada e à Executiva do partido com explicações, afirmando que, se algum ato secreto atingiu o período de sua presidência, foi à revelia de seu conhecimento. "Ele teve um gesto de esclarecimento", afirmou Alencar.

Como se trata de uma representação de um partido político, a Mesa Diretora tem de encaminhar o pedido ao Conselho de Ética. No entanto, desde maio, quando terminou o mandato dos integrantes do colegiado, o conselho está desativado. O PMDB e o PSDB ainda não fizeram as indicações de seus representantes para o conselho. Na representação, o PSOL argumenta que os atos secretos criaram cargos, concederam benefícios, aumentaram a remuneração e beneficiaram Calheiros e Sarney.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoPSOLSarneyRenan Calheiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.