PSOL pressiona e Schincariol pode entrar no caso Renan

A ex-senadora Heloisa Helena pede ao presidente do conselho que analise nova denúncia contra senador; se não for incluída, PSOL entrará com nova representação

Andréia Sadi, do estadao.com.br

11 de julho de 2007 | 15h24

A presidente nacional do PSOL, a ex-senadora Heloisa Helena, reuniu-se nesta terça-feira, 10, com o presidente do Conselho de Ética, Leomar Quintanilha (PMDB) e solicitou que a nova denúncia envolvendo o presidente do Senado, Renan Calheiros, fosse levada à votação no Conselho de Ética, para ser incluída no processo. Renan teria favorecido a cervejaria Schincariol em troca da compra de uma fábrica de refrigerantes de sua família por R$ 27 milhões, embora a empresa estivesse com problemas financeiros. A nova denúncia acabou ficando de fora do processo porque, segundo o conselho, a representação contra Renan já estaria em andamento.Segundo a assessoria da sigla, Quintanilha disse que responderia sobre o possível encaminhamento do aditamento, isto é, a inclusão da nova denúncia ao processo, até o meio-dia desta quarta-feira, 11. Caso não seja aceita, o PSOL entrará com uma nova representação contra Renan. O partido é o responsável pelo pedido de abertura do processo contra o presidente do Senado no Conselho de Ética. Nesta terça, Renan apresentou ao órgão quatro representações sobre o processo contra ele, por quebra de decoro parlamentar. Por meio de seu advogado, Eduardo Ferrão, ele questiona decisão de Quintanilha de anular o relatório de Epitácio Cafeteira (PTB-MA), primeiro relator do processo, que pedia o arquivamento do caso.Renan questiona ainda a abrangência das investigações, pede anulação da primeira perícia da Polícia Federal em seus documentos, alegando que ela foi realizada sem o aval da Mesa Diretora, e pede informações sobre perícia da própria Polícia Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.