PSOL pedirá na Câmara investigação de Maluf

O líder do PSOL na Câmara, deputado Chico Alencar, anunciou nesta sexta-feira que vai pedir à Corregedoria da Câmara que investigue o ex-prefeito Paulo Maluf. O PSOL quer que a corregedoria analise a prestação de contas de bens e rendas feita pelo deputado, ao tomar posse, e as acusações da Justiça norte-americana de envio de US$ 11,6 milhões para o exterior e o retorno de mais de US$ 1 milhão para custear suas campanhas políticas. Na quarta, o ex-prefeito foi indiciado pela Promotoria Distrital de Nova York por lavagem de dinheiro. Na quinta, o PSOL protocolou três representações no Conselho de Ética da Câmara solicitando processo disciplinar contra os deputados Valdemar Costa Neto (PR) e Paulo Rocha (PT), acusados de participação nos esquemas do "mensalão", e João Magalhães (PMDB), envolvido nas denúncias da máfia dos sanguessugas. Segundo Chico Alencar, o Código de Ética da Câmara estabelece como passível de perda de mandato quem omitir informações relevantes ou prestar informações falsas."A Câmara tem obrigação de verificar se todos têm agido com transparência e verdade, sobretudo quando um parlamentar, em pleno exercício de mandato, sofre 17 acusações, é indiciado e tem até pedido de prisão emitido. Todos os que têm problemas graves com a Justiça deveriam passar por esta checagem. Isto é um problema do próprio Legislativo nacional, e não apenas do Judiciário, no Brasil ou no exterior", afirmou Alencar. O PSOL também vai solicitar à Justiça norte-americana e ao procurador Robert Morgenthau os documentos acusatórios que levaram ao indiciamento de Maluf em Nova York. O ex-prefeito foi acusado pela movimentação ilegal de US$ 11,6 milhões (cerca de R$ 24 milhões) em uma conta do Banco Safra, em Nova York. Esses recursos teriam sido desviados da prefeitura paulistana e seriam fruto do superfaturamento das obras da Avenida Águas Espraiadas e do Túnel Ayrton Senna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.