PSOL pede que Procuradoria Geral investigue Fundação Sarney

Irregularidades reveladas em reportagem pelo jornal O Estado de S. Paulo incluem desvio de R$ 530 mil

Carol Pires, da Agência Estado,

10 Fevereiro 2010 | 11h59

O PSOL pediu à Procuradoria Geral da República (PGR) nesta quarta-feira, 10, a "verificação, mediante instauração de competente inquérito civil", de eventuais ilícitos e crimes em processos de licitação e contratos administrativos assinados pela Fundação José Sarney com prestadores de serviços. O pedido consta de representação assinada pelos deputados Chico Alencar (SP), Ivan Valente (SP) e Luciana Genro (RS).

 

As irregularidades foram reveladas pelo jornal O Estado de S.Paulo em reportagem publicada em julho do ano passado. Segundo a reportagem, de um total de R$ 1,3 milhão repassado pela Petrobras como patrocínio para um projeto cultural da fundação, R$ 500 mil foram desviados para contas de empresas fantasmas em São Luís (MA), e R$ 30 mil foram para emissoras de rádio e TV controladas pela família Sarney.

 

Os três deputados afirmam, na representação à Procuradoria Geral da República, que a Fundação José Sarney - entidade criada pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para preservar um acervo sobre o período em que foi presidente da República -, desviou, segundo auditoria da Controladoria Geral da União (CGU), R$ 129 mil do convênio assinado com a Petrobras.

 

Auditoria da CGU constatou que houve, na prestação de contas feita pela fundação sobre o uso do dinheiro da Petrobras, o uso de notas frias e com divergências de valores, desvio de recursos para empresas fantasmas e de fachada, contratações irregulares e inexistência de comprovação de serviços, entre outras irregularidades.

 

"São informações de fatos com jaez criminoso, exatamente lançadas em face uma Fundação cujo fundador e um dos responsáveis é um senador da República, presidente do Senado e do Congresso Nacional", afirma a representação dos três deputados. E concloui: "São denúncias graves que exigem a pronta investigação pelo único órgão suficientemente capaz e competente para os escorreitos esclarecimentos, correição e punição dos envolvidos: o Ministério Público Federal."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.