PSOL pede a cassação do mandato do deputado Rodrigo Bethlem

Deputado foi flagrado em ligação admitindo ter recebido propina quando comandava a pasta de Secretaria Municipal de Assistência Social do Rio

RICARDO DELLA COLETTA, Estadão Conteúdo

05 de agosto de 2014 | 19h48

O PSOL protocolou nesta terça-feira, 5, na Câmara, uma representação contra o deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ), flagrado em gravação admitindo ter recebido propina. O documento foi apresentado no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa, que depois de enviá-lo para a Mesa Diretora deverá abrir um processo disciplinar contra o peemedebista.

Em gravações feitas por sua ex-mulher Vanessa Felippe, o deputado diz que recebia comissões ilegais de ONGs contratadas pela Secretaria Municipal de Assistência Social, pasta que chefiou entre 2011 e 2012. Na representação, o PSOL argumenta que a conduta de Bethlem fere o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara e pede a cassação do seu mandato.

"Da análise do conteúdo da conversa, verifica-se que o próprio representado afirma que recebeu vantagens indevidas, sendo que de R$ 65 mil a R$ 70 mil de sua receita mensal provinha do convênio firmado pela Prefeitura do Rio de Janeiro para a finalidade do Cadastro Único, recebendo ainda R$ 15 mil da empresa que fornecia refeições (lanche) para as todas as ONG''s", diz na peça o presidente do PSOL, Luiz Araújo.

O partido também alega que Bethlem confessa na gravação ter uma conta secreta na Suíça. "A confissão pelo representado da existência de uma conta secreta na Suíça revela a prática de ato incompatível com o decoro parlamentar, uma vez que esta conta, por ser secreta, não foi declarada à Receita Federal, tratando-se, assim, de informação falsa e que, nos termos do art. 4º, II do Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, impõe a perda do mandato parlamentar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.