PSOL deve entrar com representação contra Sarney nesta 5ª

Partido analisa o tipo de representação que será formulada, se será pedido de cassação ou saída do cargo

DENISE MADUEÑO, Agencia Estado

25 de junho de 2009 | 12h00

O PSOL deve entrar ainda nesta quinta-feira, 25, com uma representação contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). A presidente do partido, Heloisa Helena, estava reunida pela manhã com o senador José Nery (PSOL-PA) e a deputada Luciana Genro (PSOL-RS) para analisar o tipo de representação que será formulada - se será um pedido de cassação de mandato ou para a saída dele do cargo. Nova denúncia de O Estado de S. Paulo aumenta pressão de senadores para que Sarney se licencie do cargo. Reportagem revela que um neto de Sarney - José Adriano Cordeiro Sarney - é um dos operadores do esquema de crédito consignado para funcionários da Casa.

 

Veja também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado

linkSimon vai pedir na tribuna para Sarney se licenciar

Dentro do escândalo dos atos secretos, usados para beneficiar familiares e protegidos de senadores e de diretores do Senado, Sarney teve vários parentes contratados para a Casa. Os decretos, muitos deles secretos, foram assinados na época em que Agaciel Maia, compadre do senador, comandava a poderosa diretoria-geral do Senado.

 

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) antecipou à Agência Estado que defenderá, no discurso de hoje, que a "solução ideal" é que todos senadores integrantes da Mesa Diretora da Casa se afastem dos cargos e que Sarney se licencie da presidência.

 

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), afirmou que a situação de Sarney com a nova denúncia caminha para a "inviabilidade". O senador voltou a cobrar respostas imediatas e drásticas por parte de Sarney. "Não sei se é licença ou renúncia. Mas ele está indo mal e precisa responder com urgência. O que se desenha é uma crise institucional. Creio que seja a maior que já vi depois da ditadura militar. É uma crise maior que a do mensalão, porque envolve agora um poder mais fraco do que o Executivo", ressaltou.

Tudo o que sabemos sobre:
atos secretosSenadojosé SarneyPsol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.