PSOL defende que investigados sejam afastados de seus postos

De acordo com o partido, deveriam ser entregues cargos da Mesa Diretora, como os ocupados pelos presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

BERNARDO CARAM, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2015 | 22h13

Brasília - A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados defendeu nesta sexta-feira, 6, que todos os investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito da operação Lava Jato que ocupam cargos de mando no Congresso Nacional se reconheçam impedidos e se afastem das funções.

De acordo com o partido, deveriam ser entregues cargos da Mesa Diretora, como os ocupados pelos presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), bem como em comissões, relatorias e o Conselho de Ética. A bancada informou ainda que vai examinar os pedidos de investigação de políticos feitos pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, para definir representações no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa.

"A bancada do PSOL na Câmara considera grave a notícia oficial da investigação sobre autoridades públicas que estariam envolvidas com o esquema de corrupção e pagamento de propina que articula empreiteiras, diretorias da Petrobras, partidos e campanhas eleitorais", afirma o texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.