DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

PSL desiste de expulsar filiados que permanecem no governo Witzel

Sigla recua, fala agora em ‘independência’ e diz que permanência em cargos depende de cada corregilionário

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2019 | 16h14

RIO – Apesar de chamar o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), de ingrato, o PSL local desistiu da ideia de expulsar do partido quem mantivesse cargos no governo. Na semana passada, o senador Flávio Bolsonaro, presidente da sigla no Estado, chegou a pregar a desfiliação dos que não desembarcassem da gestão.

Agora, porém, após a bancada se reunir mais uma vez a fim de resolver o imbróglio, o líder do partido na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Dr. Serginho, disse que a permanência fica a critério de cada filiado.

As decisões de Flávio não haviam surtido efeitos práticos, já que os integrantes do partido não largaram os cargos que ocupam. Na quinta, 26, o próprio senador já havia dito que não cobrava mais a desfiliação dos correligionários. “Não vou impor nada a ninguém, não vou expulsar ninguém por causa disso (participação no governo)”, afirmou Flávio Bolsonaro em entrevista à rádio Tupi, do Rio.

Eleito na esteira do bolsonarismo, Witzel começou a gerar insatisfação na sigla ao fazer críticas ao presidente Jair Bolsonaro e manifestar interesse em concorrer à Presidência em 2022. O PSL tem dois secretários no primeiro escalão do Palácio Guanabara e fez indicações para dezenas de cargos menores.

“Ante a ingratidão do governador e a falta de reconhecimento da importância do PSL para sua eleição, a bancada reafirma sua condição de independência e não se sente mais responsável pelas decisões e rumos do governo estadual”, diz a nota divulgada na tarde desta sexta-feira, 27.

Veja abaixo a nota divulgada pelo líder do PSL na Alerj. 

NOTA OFICIAL

Ante a ingratidão do governador e a falta de reconhecimento da importância do PSL para sua eleição, a bancada reafirma sua condição de independência e não se sente mais responsável pelas decisões e rumos do governo estadual.

 

Como nunca houve qualquer influência do PSL para ocupação de cargos no governo do Estado, a permanência nos mesmos fica a critério dos filiados do PSL que os ocupem.

 

O senador Flávio Bolsonaro reafirma seu compromisso sagrado com a população do Rio de Janeiro, que contará sempre com o PSL e o governo Bolsonaro, em especial para a recuperação do Estado.

Pela Bancada do PSL 

Deputado Doutor Serginho

Líder do PSL na Alerj

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.