PSDB vai intervir no Espírito Santo

A Executiva Nacional do PSDB decidiu ontem intervir no diretório estadual do partido no Espírito Santo. A cúpula tucana concluiu que a atual direção capixaba foi omissa nos últimos meses diante das denúncias de corrupção contra o governador José Ignácio (sem partido), que deixou a legenda em julho.Uma comissão interventora de até sete membros deverá ser nomeada hoje para assumir o comando do partido no Espírito Santo nos próximos dias, com mandato de 60 dias passível de renovação. Os nomes serão sugeridos pelo líder do governo no Congresso, deputado Arthur Virgílio (AM), o líder do PSDB na Câmara, Jutahy Júnior (BA), e o secretário-geral do partido, Márcio Fortes.RevitalizaçãoO presidente nacional do PSDB, José Aníbal, disse que a decisão teve como objetivo a ?revitalização? do partido no Estado. Segundo ele, os atuais dirigentes que não abandonarem seus cargos no governo terão de deixar a legenda. Aníbal afirmou que cabe recurso contra a intervenção tanto no âmbito da Executiva Nacional quanto na Justiça Eleitoral. A intervenção foi aprovada por cinco votos a quatro, numa reunião que terminou por volta das 23 horas. Deixaram de votar Aníbal e o prefeito de Vitória, Luiz Paulo Velloso Lucas, autor da ação contra o diretório estadual. Ambos eram favoráveis à intervenção e abstiveram-se.ConstrangimentoJá o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, fazia parte do grupo contrário à intervenção imediata, mas saiu antes da votação. A alternativa defendida por Paulo Renato previa que os tucanos capixabas abandonassem seus cargos no governo estadual. A proposta atingiria em primeiro lugar a presidente do diretório estadual, Luzia Toledo, atual secretária de Turismo.O relator do caso, deputado federal Alberto Goldman (SP), acatou o pedido do prefeito Luiz Paulo. ?É preciso que o partido reafirme seu compromisso com as instituições democráticas e com a ética?, destacou Goldman em seu parecer. Ele concordou com a tese de que a atual direção capixaba omitiu-se ante às denúncias contra José Ignácio, perdida ?entre sua lealdade ao governador e sua obrigação de ir fundo e dar explicações convincentes à opinião pública?.Goldman classificou de ?esdrúxula? e ?constrangedora? a situação da presidente estadual do PSDB, Luzia Toledo, por ocupar cargo na administração estadual. Votaram contra a intervenção os deputados Arthur Virgílio, Marisa Serrano (MS), o senador Lúcio Alcântara e o representante da Juventude do PSDB, Sandro Rezende.ChoroA deputada federal Rose de Freitas (ES), que não integra a Executiva Nacional e era contrária à medida, compareceu à sede do partido para acompanhar a reunião. Ela chorou ao final do encontro e disse que vai reunir-se com lideranças no Estado para definir sua atitude. Prefeitos e lideranças locais anunciaram, na semana passada, a intenção de abandonar o PSDB, caso houvesse a intervenção. ?Do mesmo jeito que se perde, se agrega?, concluiu José Aníbal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.