Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PSDB usará inserções na TV em apoio a protestos contra Dilma

Esta será a primeira vez que o PSDB se manifesta de uma maneira mais ostensiva a favor da realização dos protestos; nos outros dois atos que aconteceram este ano - 15 de março e 12 de abril -, o partido e suas lideranças deram um apoio mais tímido

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

27 de julho de 2015 | 16h08

Brasília - O PSDB vai usar as inserções a que tem direito na TV para chamar a população a ir às ruas contra o governo nos protestos marcados para o dia 16 de agosto. Uma das bandeiras dos manifestantes é o impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

Segundo o presidente do partido, senador Aécio Neves (MG), o conteúdo das propagandas de 30 segundos que irão ao ar na próxima semana atende a uma cobrança dos eleitores do PSDB, que pedem uma aproximação maior da legenda aos movimentos que organizam os atos.

"Se nós simplesmente desconsiderarmos que elas (as manifestações) existem, estaremos fugindo da realidade. Nós vamos estar com inserções a dez dias de uma movimentação que mobiliza a sociedade. A cobrança dos nossos eleitores é enorme pela vinculação cada vez maior do partido", disse Aécio.

Esta será a primeira vez que o PSDB se manifesta de uma maneira mais ostensiva a favor da realização dos protestos. Nos outros dois atos que aconteceram este ano - 15 de março e 12 de abril -, o partido e suas lideranças deram um apoio mais tímido aos atos.

Até o próprio Aécio, que não participou das outras edições, cogita ir à próxima. "Estou avaliando, desta vez, com mais possibilidade. As lideranças do PSDB não se furtarão a estar presentes em uma manifestação que ganha corpo", disse. 

O tucano foi muito criticado por grupos, como o Movimento Brasil Livre (MBL), que pedem o impeachment da presidente, por não levantar essa bandeira. Desde o início do ano, o PSDB tem adotado uma postura de cautela ao tratar do assunto. Com o agravamento da crise, porém, diversas lideranças da sigla voltaram a defender a tese do impedimento abertamente. 

"Amigos, no dia 16 de agosto vamos voltar às ruas não mais para protestar. Agora vamos pedir o impeachment de Dilma, responsável maior por um governo corrupto, mentiroso e incompetente", postou no Facebook o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), líder do PSDB na Câmara.

Nesta semana, a sigla vai usar as inserções na TV para mostrar a união entre as principais lideranças tucanas, um tema sempre controverso dentro do ninho tucano. "Temos que demonstrar que somos um conjunto de pessoas, que podem divergir em determinas questões, mas que estão absolutamente sintonizadas com o sentimento das ruas, com as mudanças que têm de ocorrer", disse Aécio.

Além de Aécio, serão protagonistas das peças os principais nomes do PSDB, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador José Serra (SP). 

Tudo o que sabemos sobre:
protestosPSDBDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.