PSDB troca deputados na CCJ, mas não muda perspectiva de voto contra Temer

Favorável ao prosseguimento de denúncia, João Gualberto passa de suplente a titular em comissão

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2017 | 11h24

BRASÍLIA - A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) sofreu mais uma alteração em sua composição. O PSDB tirou o deputado João Gualberto (BA) da suplência e formalizou sua ida para a vaga de titular na comissão. Gualberto liderou a coleta de assinaturas para um dos pedidos de impeachment contra o presidente Michel Temer que aguardam despacho da presidência da Câmara.

Gualberto vai para a vaga de Jutahy Júnior (BA), que por sua vez foi para a suplência. Assim como Gualberto, Jutahy também votou a favor do prosseguimento da primeira denúncia contra Temer, ou seja, a inversão de papéis não muda a perspectiva dos votos dos tucanos no colegiado. Na primeira votação, a maioria dos sete deputados do PSDB na comissão votou pela admissibilidade da denúncia.

Jutahy alegou que não estará em Brasília durante a votação na comissão e sugeriu a indicação de Gualberto. Em ofício ao líder Ricardo Tripoli (SP), Jutahy diz que o colega de bancada "também representa a Bahia" e que eles têm "convergência de pensamento em relação ao tema".

A primeira mudança na CCJ desde que a denúncia chegou à Câmara foi nas fileiras do PTB. Na terça-feira, 26, o partido tirou Nelson Marquezelli (SP) da suplência e o colocou na vaga de titular. Marquezelli votou com o governo na primeira denúncia.

TRAMITAÇÃO 

O presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), adiou para o período da tarde o anúncio da decisão sobre o desmembramento ou não da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da República). Devido ao adiamento da notificação dos acusados por um problema técnico com os arquivos digitais enviados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Pacheco vai esperar o encaminhamento formal do pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para comunicar sua decisão.

O peemedebista, no entanto, sinalizou que a indicação do relator da nova denúncia pode ficar para amanhã, 28.

Mais conteúdo sobre:
João GualbertoMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.