PSDB tenta evitar rompimento com PFL

O presidente do PSDB, deputado JoséAníbal (SP) disse, hoje, ser contra o rompimento do PFL com ogoverno. Boa parte dos pefelistas defende a saída do partido dogoverno de Fernando Henrique Cardoso, por considerar que tevemotivação política a invasão da Polícia Federal à empresa deRoseana Sarney em busca de documentos que pudessem incriminarseu marido, Jorge Murad, com as fraudes na extintaSuperintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). "O PFL é um partido muito importante para o governoFernando Henrique", afirmou Aníbal, para quem o episódio nãoafastará também o diálogo entre os dois partidos em torno dasucessão presidencial. Além de defender a manutenção das conversas com ospefelistas para preservar a coalizão governista, o deputado JoséAníbal fez questão de negar qualquer envolvimento do PSDB ouintegrantes do governo na ação da PF com o objetivo deenfraquecer a candidatura de Roseana Sarney à Presidência daRepública, como declarou a própria Roseana. "É uma acusaçãoleviana", afirmou o dirigente tucano. Para ele, passado oprimeiro momento, que provocou reações impulsivas da governadora a situação se acalmará. No entanto, ele concorda que o episódioteria causado "constrangimentos" à pre-candidata do PFL. Seguindo a linha de raciocínio do ministro da Justiça,Aloysio Nunes Ferreira, o presidente do PSDB afirmou que aPolícia Federal cumpre ações determinadas pela Justiça Federal e no caso, envolvia uma empresa em que Roseana é sócia de seumarido Jorge Murad. "A PF está fazendo procedimentos em buscade documentos dentro da investigação do caso Sudam", disse,retirando qualquer conotação política da operação. Ao contestar versões de que a operação poderia, poroutro lado, favorecer o pré-candidato do PSDB, senador JoséSerra, o deputado destacou que os tucanos "não praticammanobras desta natureza", lembrando, inclusive, acaracterística de conciliador de Fernando Henrique, que"inaugurou no País um governo de coalizão". "Será que um episódio assim melhora nossa posição nasucessão?", questionou José Aníbal, afirmando, em seguida, serinaceitável fazer vinculação da invasão às eleiçõespresidenciais para prejudicar o PFL. O líder do PSDB na Câmara, deputado Jutahy Júnior (BA),afirmou que a ação da Polícia Federal deve ficar circunscrita àJustiça Federal, sem nenhuma vinculação política eresponsabilidade do governo ou do PSDB. "É preciso parar comesta mania de responsabilizar o PSDB por tudo. Isso não temfundamento. Agora tudo é culpa do PSDB?", reagiu o lídertucano. Jutahy ressaltou, por exemplo, que setores do PFL tambémresponsabilizaram o governo e o PSDB pela decisão do TribunalSuperior Eleitoral (TSE) de vincular as coligações estaduais àsnacionais. No episódio envolvendo a pré-candidata do PFL à sucessãopresidencial, o líder tucano disse ser inaceitável atribuir aação da PF ao governo. "O presidente Fernando Henrique e osenador José Serra sempre lutaram pela democracia, adotandoações importantes como o fortalecimento do Ministério Público, enão utilizariam um mecanismo desta natureza", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.