Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/Agência Brasil

PSDB tenta desgastar Leite com ‘fatura’ das prévias; PSD filia aliada de gaúcho

Tesoureiro tucano cobra postura ética e diz que governador recebeu R$ 1,2 milhão da legenda para participar da disputa interna; Ana Amélia ingressa na sigla de Kassab

Pedro Venceslau, Iander Porcella e Lauriberto Pompeu, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2022 | 22h59

BRASÍLIA e SÃO PAULO — A negociação do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), com o ex-ministro Gilberto Kassab – que planeja lançá-lo à Presidência da República pelo PSD – reacendeu o clima de confronto entre os tucanos. A ala do PSDB ligada ao governador de São Paulo, João Doria, passou a destacar o investimento feito pelo partido para a realização das prévias, com o objetivo de causar desgaste a Leite. Até agora não adiantou: o gaúcho está mesmo disposto a se filiar ao PSD de Kassab.

O tesoureiro do PSDB, César Gontijo, cobrou postura “ética” do gaúcho. Pelas suas contas, Leite recebeu R$ 1,2 milhão da legenda para disputar as prévias contra Doria, que venceu o embate, e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio. “As prévias custaram R$ 10 milhões e só aconteceram porque Eduardo Leite se comprometeu a ficar na legenda se perdesse. É uma questão ética. Por isso fizemos esse investimento. Ele vai enterrar a carreira se sair do PSDB”, afirmou Gontijo ao Estadão.

Aliados do governador do Rio Grande do Sul disseram que ele não se importa de enfrentar a pecha de “mau perdedor”. Em conversas reservadas, Leite afirma que o custo político de seu gesto não será significativo porque “o vencedor (Doria)” não conseguiu “ficar de pé” nas pesquisas de intenção de voto.

Este argumento, porém, não é compartilhado por nomes históricos do partido que são críticos à candidatura de Doria. Nesta terça-feira, 15, após tomar café com Kassab, em São Paulo, e se reunir com investidores do Itaú BBA, Leite desembarcou em Brasília para encontros separados com tucanos, como o presidente do partido, Bruno Araújo (PE), o deputado Aécio Neves (MG) e o senador Tasso Jereissati (CE). Os correligionários fizeram um último esforço para convencê-lo a ficar no partido. Leite, no entanto, indicou estar muito próximo de anunciar a ida para o PSD. 

“Partidos são formados por personalidades diferentes. Naturalmente, há divergência, houve divergência dentro do PSDB e as prévias apresentaram isso. A discussão aqui é um projeto para o País, como a gente vai viabilizar. É sobre isso que estou obcecado e obstinado: como posso dar a melhor contribuição nesse processo político que se avizinha para ajudar a alternativa aos polos de radicalização”, afirmou o gaúcho, após a reunião com aliados, numa referência ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Araújo disse ter esperança de que Leite mude de ideia. “Há disposição do governador do Rio Grande do Sul de disputar uma eleição presidencial. Ele disputou as prévias e isso projetou seu nome nacionalmente. Recebeu convite de outro partido oferecendo essa vaga e estamos mostrando quais as variáveis e o porquê é importante ele seguir nesse compromisso com o PSDB”, observou o dirigente. “Se me comprovarem que meu papel é outro, que é dando suporte na retaguarda, não tem nenhum problema de assumir esse papel, se houver outra candidatura que melhor projete isso. Mas, enquanto houver um grupo representativo que ache que eu possa ser uma liderança desse projeto, estou aqui discutindo como ele pode se viabilizar”, insistiu o governador.

Leite e Kassab estarão juntos novamente na quarta-feira, em Porto Alegre, mas desta vez em ato público: a cerimônia de filiação da ex-senadora Ana Amélia ao PSD. Egressa do Progressistas, decidiu ir para o PSD após uma negociação combinada com o governador – ela é secretária de Relações Federativas e Internacionais do Estado. Ana Amélia, que foi candidata a vice na chapa de Geraldo Alckmin em 2018, disputará novamente o Senado.

“O que vão dizer e as críticas (sobre a saída de Leite do PSDB) são irrelevantes. O que é relevante é o gesto de coragem dele. Ruim é o covarde que, diante de custos políticos, deixa de assumir a responsabilidade com o interesse nacional. Existe algo maior e mais significativo que as prévias (do PSDB)”, disse Ana Amélia ao Estadão. Para aceitar mudar de partido Leite negocia a manutenção de sua base de sustentação no Estado, onde tentará fazer um sucessor. 

Na avaliação do ex-senador José Aníbal – que se tornou desafeto de Doria –, o PSDB está numa situação de “estresse”. “É preciso ver quais possibilidades temos e evitar que o PSDB tenha um baixo protagonismo nesta eleição presidencial”, afirmou. “Em princípio, é importante que o Eduardo fique no PSDB. O partido está numa situação, no mínimo, de estresse. Tem um candidato (Doria) que não sai do lugar, ao contrário, aumenta a rejeição a ele.”

Leite retornou ao Brasil no início da semana após uma viagem aos Estados Unidos. O governador antecipou o retorno ao País para intensificar a articulação política em torno da possível candidatura ao Palácio do Planalto. O caminho no PSD ficou livre para o gaúcho após o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MG), anunciar que não vai disputar a Presidência em outubro.

A movimentação do governador gaúcho

Em novembro do ano passado, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (44,66%), perdeu as prévias tucanas para o governador de São Paulo, João Doria (53,99%). A escolha foi feita por 30 mil filiados que participaram do processo de forma presencial ou remota. 

‘Força política’

Em discurso logo após o resultado das prévias, Leite colocou o PSDB como a “força política” capaz de fugir à “polarização inútil e prejudicial” e liderar um projeto no centro. “O Brasil precisa viabilizar um projeto no centro”, declarou, na ocasião.

Reeleição

Sondado pelo PSD de Gilberto Kassab para disputar o Palácio do Planalto, o governador gaúcho afirmou, em fevereiro, que ficaria no PSDB e admitiu publicamente, pela primeira vez, a possibilidade de quebrar o compromisso assumido durante o mandato de não concorrer à reeleição.

‘Pressa’

Na semana passada, um dia depois de o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), desistir de lançar candidatura ao Planalto, Leite se apresentou para a disputa. “Estamos com pressa”, disse.

‘Mau perdedor’

Alertado por correligionários de que poderia ficar com a pecha de “mau perdedor”, pois se comprometera a aceitar o resultado da votação das prévias, Leite se mostrou disposto a enfrentar o desgaste.

Renúncia

Na segunda-feira, 14, Leite disse que renunciar ao mandato no Estado “dói mais” do que sair do PSDB. “Eu não quero viver com o sentimento de que poderia ter feito algo, mas não fiz”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.