Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

PSDB se recusa a devolver R$ 45 mil para d'Ávila

Cientista político procurou cúpula tucana para pedir reembolso após sigla ter revogado a exigência do pagamento da taxa para participar das prévias; presidente estadual da legenda diz que não pode restituir o dinheiro

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 05h00

Quando o PSDB revogou, na semana passada, a exigência do pagamento da taxa de R$ 45 mil aos pré-candidatos nas prévias da legenda para governador, dois dos quatro concorrentes já tinham depositado o dinheiro na conta do partido: João Doria e Luiz Felipe d’Ávila.

Com a desistência do “pedágio partidário”, d’Ávila procurou a cúpula tucana em São Paulo para pedir reembolso. O partido, porém, quer usar o dinheiro para pagar dívidas. “Não posso devolver o dinheiro para ele”, disse ao Estado o presidente do PSDB-SP, deputado estadual Pedro Tobias. Com problemas financeiros, o diretório quer usar parte da “taxa” paga por Doria e d’Ávila para pagar custos da prévia.

+++PSDB escolhe Doria para disputar o governo de SP

Segundo o secretário-geral tucano, César Gontijo, 30% do valor depositado foi automaticamente retido pela Justiça por causa de uma cobrança judicial de uma dívida da campanha de José Serra à Prefeitura em 2012.

“Não posso tirar dinheiro do partido e depositar na conta de um particular. Vou ter uma reunião com o advogado para discutir isso”, disse Tobias. “Tive uma postura ilibada e leal com o partido nesse processo. Espero que sejam corretos comigo”, afirmou d’Ávila.

+++Dores tucanas

Questionado sobre a demanda do ex-pré-candidato (Doria não pediu reembolso), o presidente do PSDB afirmou que todos os pré-candidatos tem obrigação de ajudar a arcar com os custos da eleição interna. “Vou descontar R$ 45 mil do repasse do Fundo Partidário para as campanhas do Floriano Pesaro e do José Aníbal se eles forem candidatos”, afirmou.

O dirigente não soube, porém, dizer quanto custaram a prévias. “Eu avisei o PSDB que não tenho recursos. Vivo do meu salário. Se eles insistirem nisso, vamos discutir na Justiça”, disse Pesaro, que vai se candidatar a deputado federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.