Pablo Valadares/AE
Pablo Valadares/AE

PSDB se junta ao DEM e cresce pressão por saída de Sarney

Oposição defende licença temporária do presidente do Senado até que denúncias sejam investigadas

Denise Madueño e Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo,

30 de junho de 2009 | 17h32

O PSDB se juntou ao DEM e pediu o afastamento do senador José Sarney (PMDB-AP) da presidência do Senado. O líder tucano Arthur Virgílio (AM) foi a plenário anunciar a posição da bancada do partido. O afastamento seria temporário até a conclusão das investigações de irregularidades na Casa, reveladas em reportagens do Estado. Com isso, cresce a pressão pela saída do peemedebista. O PDT, que ainda nesta terça-feira deve formalizar posição pelo afastamento, e o PSOL, que já recorreu ao Conselho de Ética contra o presidente da Casa, mostram Sarney a caminho do isolamento.

 

A crise no Senado teve início após denúncias de irregularidades promovidas por atos secretos usados para criar cargos, nomear parentes e amigos e aumentar salários, revelados pelo Estado

 

Veja também:

som Ouça o discurso de Simon pedindo afastamento de Sarney

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado

linkPSOL protocola representação contra Sarney e Renan

linkNo Twitter, Agripino se antecipa e recomenda licença

 

Aliados de Sarney se prendem ao apoio manifestado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva à permanência dele no cargo. A bancada do PMDB, em reunião de emergência, também manifestou apoio a Sarney. O ex-líder do partido Valdir Raupp (RO), mais cedo no plenário, fez um apelo aos líderes partidários para que deem 60 dias de prazo a Sarney, revelando a fragilidade do presidente da Casa.

 

A avaliação é que Sarney ainda dispõe de uma maioria frágil no Senado. O problema é que Sarney terá de passar diariamente pelo constrangimento de ter um grupo de cerca de 20 senadores pedindo a sua saída no plenário. O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), decidiu se afastar da presidência da Casa, em 2007, depois de 17 senadores em uma única sessão, terem pedido sua renúncia.

 

Apesar de a líder do governo no Congresso, Ideli Salvatti (PT-SC), subir a tribuna para defender Sarney, a bancada do PT está dividida e, qualquer decisão dos petistas, em reunião marcada para hoje, será politicamente desgastante para o partido. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.