Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

'PSDB sairá profundamente ferido' de votação da denúncia contra Temer, diz Goldman

Ex-governador de São Paulo e o tucano Alberto Goldman disse que a sigla ainda não marcou nenhuma reunião para tratar do tema e discutir a sucessão do senador Aécio Neves na presidência nacional

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2017 | 16h08

O vice-presidente nacional do PSDB e ex-governador de São Paulo Alberto Goldman disse que o partido sairá "profundamente ferido" da votação no plenário da Câmara dos Deputados da admissibilidade da denúncia da Procuradoria-Geral da Republica (PGR) contra o presidente Michel Temer, marcada para às 9h de quarta-feira, 2.

Goldman afirmou ao Estado que a legenda ainda não marcou nenhuma reunião para tratar do tema e discutir a sucessão do senador Aécio Neves (PSDB-MG) na presidência nacional da sigla. "Não há nenhuma reunião marcada no partido. Temos um presidente que está, mas não é. E outro que é, mas não está. O partido sairá profundamente ferido desse processo", disse o vice-presidente nacional do PSDB e ex-governador de São Paulo.

Presidente nacional interino da agremiação, o senador Tasso Jereissati (CE), viajou para o exterior no recesso parlamentar. Já Aécio teve reuniões com tucanos e até participou neste sábado, 29, de um jantar com o presidente Michel Temer e ministros do PSDB no Palácio do Jaburu. A bancada do partido na Câmara também não deve se reunir para definir posição sobre a votação de amanhã. O líder Ricardo Tripoli deve liberar os 46 deputados da legenda. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.