PSDB retarda instalação de comissão no Senado

A bancada do PSDB no Senado deve definir amanhã o futuro presidente da Comissão de Infraestrutura (CI). Das 11 comissões permanentes do Senado, a CI é a única que, após mais de 40 dias do início do ano legislativo, ainda não foi instalada, devido a impasse entre os tucanos. Se eles solucionarem o problema, a comissão pode ser instalada na próxima quinta-feira.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

14 de março de 2011 | 18h08

Palco de divisões no âmbito nacional entre serristas, aecistas e alckmistas, o PSDB enfrenta disputas internas até na bancada de senadores, com dez integrantes. Há semanas persiste o impasse entre Flexa Ribeiro (PA) e Lúcia Vânia (GO), que disputam a presidência do colegiado.

A senadora Marisa Serrano (MS), que manifestou interesse pelo comando da comissão no início, renunciou à disputa para facilitar o entendimento entre os demais postulantes. Se até amanhã Flexa e Lúcia não chegarem a um consenso, o cargo será decidido no voto entre os dez senadores tucanos, informou o líder da bancada, Álvaro Dias (PSDB-PR).

A Comissão de Infraestrutura é estratégica para o governo porque abriga a discussão de projetos relacionados ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e às obras da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016. Além disso, cabe à CI promover sabatinas dos diretores das agências reguladoras - vários mandatos vencem no próximo biênio. Por fim, a CI deverá ser palco da sabatina da Autoridade Pública Olímpica (APO), cargo que deve ser confiado ao ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles.

Em 2008, a CI serviu de palco aos interesses da oposição, que não conseguia aprovar a convocação da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, para depor na CPI dos Cartões Corporativos (de maioria governista). Sob a presidência de um senador tucano, Marconi Perillo (PSDB-GO), o colegiado votou e aprovou a convocação de Dilma, que se viu obrigada a confrontar a oposição em meio às denúncias de que teria supostamente ordenado a confecção de um dossiê com informações de gastos sigilosos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

O feriado do carnaval retardou ainda mais a definição do impasse em torno do comando da Comissão de Infraestrutura. No último dia 2, foram instaladas as quatro últimas comissões que aguardavam a definição dos presidentes: de Assuntos Sociais (CAS), de Educação (CE), de Direitos Humanos (CDH) e de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática (CCT). A instalação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) - a mais importante da Casa -, no início de fevereiro, foi apressada para viabilizar a sabatina do novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.