PSDB questiona atuação da PF em investigação do dossiê

Em nota oficial, o Diretório Nacional do PSDB protestou contra o inquérito final da Polícia Federal (PF) que responsabilizou o senador Aloizio Mercadante (PT-SP), o tesoureiro de sua campanha ao governo de São Paulo, José Giácomo Baccarin, o coordenador de sua campanha, Hamilton Lacerda, e Gedimar Passos e Valdebran Padilha, envolvidos na negociação entre o PT e os Vedoin para a compra de um dossiê contra tucanos.Na avaliação do partido, a PF surpreendeu ao indiciar apenas "personagens laterais ao episódio, meros instrumentos dos reais responsáveis", sem citar membros da Direção Nacional do partido, da campanha eleitoral do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do próprio governo. O PSDB levantou ainda a hipótese de a PF ter sido parcial na condução das investigações, tendo deixado de trabalhar a serviço do Estado e da população para atuar a favor de "eventuais governantes".Para o partido, questões fundamentais não foram abordadas pela PF. "A quem interessaria o dossiê? A quem serviam os criminosos pegos em flagrante? Que nível de autonomia teriam os tais ´aloprados´ para planejar tão arriscada trama?", exemplificou. Segundo o PSDB, o inquérito pouco revelou além do que já era de conhecimento público. "Preferiram os seus condutores centrar a investigação no diretório do PT de São Paulo, ignorando solenemente as evidentes relações dos portadores do dinheiro com figuras proeminentes do PT, da sua direção nacional, da campanha presidencial do candidato Lula e do próprio Palácio do Planalto", considerou.Apesar de elogiar a Polícia Federal como instituição, seus profissionais e métodos de investigação, o partido questionou o trabalho da PF, que não conseguiu descobrir a origem da maior parte do dinheiro apreendido. "É difícil crer que diante dos moderníssimos instrumentos de rastreamento de linhas telefônicas e das instituições responsáveis pela fiscalização de movimentações financeiras à disposição dos investigadores, não se tenha conseguido ir além de uma casa de câmbio, inexplicavelmente ali encerrando a busca pelo caminho do dinheiro", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.