PSDB quer Serra como pré-candidato logo

Apesar da disposição do ministro da Saúde, José Serra, de prolongar ao máximo sua permanência no cargo e das declarações do presidente Fernando Henrique Cardoso favoráveis ao adiamento da campanha eleitoral, o presidente nacional do PSDB, deputado José Aníbal (SP), disse, neste domingo, que não se opõe à saída antecipada de Serra do ministério para lançar-se candidato à sucessão de FHC.?É natural, legítimo. Não tenho nada contra?, disse Aníbal. O presidente do PSDB enfatiza que o partido terá candidato próprio nas eleições de 2002, qualquer que seja o cenário registrado pelas pesquisas pré-eleitorais. ?Vamos ter candidato e ponto?, afirmou.Segundo ele, esta é a plataforma sobre a qual será definida a posição tucana na aliança com os partidos da base governista. Esta semana será decisiva para o ministro.De volta da reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) no Catar, onde obteve êxito em sua proposta sobre a quebra de patentes de medicamentos, Serra receberá o pedido de aliados tucanos para que encerre sua carreira de ministro e assuma a postura de pré-candidato do PSDB à Presidência da República.?Todo mundo vai querer falar com ele esta semana?, antecipou o líder do PSDB na Câmara, deputado Jutahy Júnior (BA). Aliado de Serra, o líder faz uma ressalva: o ministro só deve tomar a decisão após a definição de como o partido vai escolher seu candidato e da data para isso. ?Antes de ter o critério e a data, não tem como Serra definir sua saída?, disse Jutahy Júnior.Já se posicionaram como pré-candidatos do PSDB o governador do Ceará, Tasso Jereissati, o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, e o governador de Mato Grosso, Dante de Oliveira. Paulo Renato só pretende deixar o governo após o carnaval, em fevereiro.Legalmente, a data limite para deixar o ministério é 6 de abril. De acordo com aliados de Serra, sua decisão de permanecer no ministério deve-se à crença de que há mais chance de atrair a atenção dos eleitores no cargo do que no Senado.O ministro tem ainda um ano e dois meses de mandato como senador por São Paulo. Sua vaga é ocupada pelo empresário e suplente Pedro Piva (SP).José Aníbal garante não estar ansioso com a falta de um nome tucano já nas ruas para fazer frente a pré-candidata do PFL, Roseana Sarney, que despontou em segundo lugar nas últimas pesquisas eleitorais, com quatro vezes mais intenções de voto do que Serra, o tucano com melhor desempenho.Segundo José Aníbal, o sucesso da pré-candidatura de Roseana deve alarmar a oposição, por demonstrar a aceitação de alguém da base do governo. Aníbal disse que, no mês passado, a direção do PSDB decidiu que o candidato do partido só seria escolhido no primeiro trimestre de 2002.?Estamos no governo, e o PSDB tem um projeto que está tendo sucesso para o Brasil?, disse o presidente nacional. A mesma posição foi defendida pelo presidente Fernando Henrique na última quarta-feira, na posse dos novos ministros. ?Dois mil e um é o ano do governo, do Fernando Henrique?, concordou Jutahy Júnior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.