PSDB quer provar responsabilidade de Guimarães e Pizzolato, do BB

O PSDB não vai dar trégua ao Banco do Brasil nem aotesoureiro do PT, Delúbio Soares, por conta do episódio envolvendo a instituição e o show da dupla sertaneja Zezé di Camargo eLuciano, realizado no dia 13 deste mês, para arrecadar fundos destinados à compra de uma nova sede do partido em São Paulo,estimada em R$ 15 milhões. O comando nacional do PSDB entrou hoje com representação na Procuradoria Geral da Repúblicacontra o diretor de Marketing do Banco do Brasil (BB), Henrique Pizzolato, e o presidente do Banco Popular do Brasil, IvanGuimarães.Os dois diretores do BB teriam atuado na transação, negociando com o PT a compra de ingressos, totalizando R$ 70 mil, e opatrocínio de R$ 5 milhões para uma turnê dos dois cantores pelo Brasil. O presidente do Banco do Brasil, Cássio Casseb,confirmou que os ingressos do show foram distribuídos para os funcionários do banco. O patrocínio foi indeferido,em função das denúncias. Na semana passada, os tucanos já haviam entrado com representação contra Casseb. Agora, o PSDB tentará comprovar aresponsabilidade de Pizzolato e Ivan Guimarães, mas o alvo principal é Delúbio Soares, que teria atuado em conjunto com osdois diretores. A reação dos tucanos coincide também com o clima de guerra entre PT e PSDB na campanha eleitoral em SãoPaulo. A direção nacional ficou indignada ontem com as provocações de militantes do PT ao candidato do PSDB à prefeitura deSão Paulo, José Serra, durante visita à Vila Maria. O deputado do PSDB Eduardo Paes não poupa o dirigente do PT, que classifica como o ?PC Farias do governo Lula, numareferência a Paulo Cesar Farias, tesoureiro de campanha do ex-presidente Fernando Collor, que foi processado e preso porcorrupção. ?Ele é o PC do governo do PT, só que trabalhando com mais desenvoltura e cara de pau?, comentou Paes. Para ele,na posição de tesoureiro do PT, Delúbio Soares vem atuando como se o Estado brasileiro fosse de seu partido. ?Delúbio é asíntese do fascismo e não podemos deixar isso passar impune?, continuou.Apesar das explicações de Cássio Casseb, o PSDB entende que ele deveria se afastar do cargo. ?Ele deveria pedir o boné, pois,mesmo mostrando que não tem o controle do banco, não se eximiu da culpa?, disse Eduardo Paes. Segundo ele, Delúbio Soaresteria montado um esquema de influência direta dentro do banco, independentemente da situação de Casseb.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.