ALEX SILVA/ESTADÃO
ALEX SILVA/ESTADÃO

PSDB quer expulsar tucano que se reuniu com líderes de esquerda

Segundo o texto, a postura do sociólogo Fernando Guimarães, que lidera uma corrente tucana chamada ‘Esquerda Para Valer’, infringe artigos do Estatuto do partido

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2019 | 14h10

O diretório municipal do PSDB pediu a expulsão do sociólogo Fernando Guimarães após ele liderar a formação de um grupo suprapartidário de oposição ao governo de Jair Bolsonaro. Na última segunda-feira, 21, o Estado revelou que representantes de dez partidos - entre eles PSDB, PDT, PT, Psol e PCdoB Cidadania - se reuniram para organizar o lançamento do movimento “Direitos Já, Fórum pela Democracia”.

A iniciativa gerou uma forte reação de tucanos. “O Diretório Municipal do PSDB (Partido da Social Democracia) de São Paulo informa que não compactua com a postura de Fernando Guimarães Rodrigues ao assumir sua posição pessoal como a do partido”, disse a nota oficial do diretório paulistano do PSDB. 

Ainda segundo o texto, a postura do sociólogo, que lidera uma corrente tucana chamada ‘Esquerda Para Valer’, infringe artigos do Estatuto da sigla. “Assim, o caso será encaminhado ao Conselho de Ética para serem tomadas as medidas cabíveis”, diz documento.

Questionado se a regra seria aplicada a outros tucanos que apoiam o movimento, como o ex-senador José Aníbal, o ex-ministro da Justiça José Gregori, o ex-governador Alberto Goldman e o senador José Serra, que se reúne  com o Fórum pela Democracia’ no dia 26, o presidente do PSDB paulistano, Fernando Alfredo foi taxativo. 

“Não dá para eles saírem  tomando decisões partidárias sem consultar o corpo dirigente do PSDB. A regra vai ser para todos. Eles que têm de se policiar”, afirmou o dirigente. “Isso me parece macarthismo. Um partido que tem democracia no nome não pode cercear a participação de seus militantes em um movimento que tem como único propósito a defesa dos valores da Constituição”, afirmou Guimarães.

O sociólogo disse, ainda, que o presidente do PSDB ainda é o ex-governador Geraldo Alckmin. “Ele jamais tomaria uma posição macarthista. Já houve a sinalização que os tucanos da ala progressista não terão espaço. É o começo da caça às bruxas”

O presidente estadual do PSDB, Marco Vinholi, também criticou a atuação de Guimarães por meio de nota. “Não há qualquer possibilidade de estabelecermos pautas conjuntas com o PT, responsável maior pela crise ética, política e econômica que vivenciamos hoje e cuja bandeira principal é a liberdade de seu líder, já condenado e preso. Estamos e continuaremos do lado certo da história, o lado dos brasileiros, e oposto ao PT”, afirmou o dirigente.

Integrantes do Fórum saíram em defesa de Fernando Guimarães. “Isso causa perplexidade. São novo e estranhos tempos no PSDB”, disse o advogado petista Marco Aurélio Carvalho, que organizou o movimento junto com Guimarães. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.