Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

PSDB quer CPI dos Portos para apurar denúncias feitas por Garotinho

Líder do PR na Câmara afirmou que haveria 'negociata' para a aprovação da Medida Provisória

Ricardo Brito, Agência Estado

14 de maio de 2013 | 17h01

BRASÍLIA - O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), anunciou nesta terça-feira, 14, que vai apresentar um pedido de abertura da CPI dos Portos para investigar as suspeitas levantadas na semana passada pelo líder do PR, Anthony Garotinho (RJ), de que estaria havendo "negociata" para a aprovação da Medida Provisória dos Portos (MP 595/2012). Mais cedo, o PSDB, o DEM e o PPS apresentaram pedido de apuração dessas suspeitas à Corregedoria da Casa.

Em discurso da tribuna da Câmara antes do encerramento da primeira sessão extraordinária convocada para votar a MP, Carlos Sampaio disse que seu partido votava na semana passada sem qualquer exigência. Lembrou ainda notícias veiculadas na imprensa nos últimos dias dando conta de que, para "acalmar" a base aliada, o governo teria se comprometido a repassar R$ 1 bilhão em emendas parlamentares.

"O PSDB não aceita esse tipo de postura e, por essa razão, se aprovada for essa MP, tenho a obrigação, como líder do meu partido, de apresentar uma CPI dos Portos para saber quem ganhou com essa sacanagem, quem ganhou com essa malandragem. O PSDB está fora disso, senhor presidente. O PSDB quer postura dentro desta Casa", afirmou Sampaio, minutos antes de encerrar a sessão extraordinária do plenário convocada nesta terça pela manhã para tentar votar, sem sucesso, a MP dos Portos.

A oposição tem se valido do tumulto ocorrido na sessão da semana passada para tentar inviabilizar a votação da MP. O tucano disse que, caso a MP venha a ser aprovada, todas as "falcatruas denunciadas dentro do governo" se tornarão lei. "Porcos, Tio Patinhas, malandragem, sacanagem fazem parte da mesma MP que aprovamos", criticou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.