PSDB quer convocar tesoureiro foragido de Cachoeira

O líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), apresentou um requerimento para convocar o contador Geovani Pereira da Silva para depor na CPI do Cachoeira, que começou a funcionar nesta quarta pela manhã. Reportagem publicada hoje, 25, pelo Estado de S.Paulo revela que Geovani está, nas palavras do seu advogado, "pronto para cooperar" com a investigação parlamentar que tem por objetivo apurar o envolvimento do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados.

RICARDO BRITO, Agência Estado

25 de abril de 2012 | 16h46

O contador está foragido há dois meses, desde que a Polícia Federal deflagrou a Operação Monte Carlo. A PF considera-o como arquivo vivo do esquema de pagamento de propina a políticos e servidores públicos comandado por Cachoeira. Seu defensor, Calisto Abdala Neto, disse que o tesoureiro do grupo está apenas "resguardado" até que a Justiça relaxe a ordem de prisão que tem contra ele.

"É imprescindível ouvi-lo porque, depois de Cachoeira, é ele quem mais sabe da movimentação financeira do grupo", afirmou Alvaro Dias. O líder do PSDB também apresentou requerimento para que a CPI peça ao Conselho de Controle das Atividades Financeiras (Coaf) um relatório sobre a movimentação financeira do contador. Na avaliação de Dias, é o primeiro passo para, se for encontrado movimentações atípicas, pedir a quebra de sigilo bancário de Geovani.

No primeiro dia dos trabalhos, o líder tucano apresentou mais de 30 pedidos de convocação e de pedidos ao Coaf. Entre eles, o de ida à CPI de Carlinhos Cachoeira e do dono da Delta, Fernando Cavendish, que se afastou do comando da empreiteira esta manhã. Dias já pediu ao presidente da comissão, senador Vital do Rêgo, que marque uma reunião da CPI para votar os pedidos. Vital ficou, segundo o tucano, de avaliar a sugestão.

Tudo o que sabemos sobre:
CPICachoeiratestoureiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.