PSDB protesta contra revista oficial que critica Serra

Texto da 'Revista de História' ironiza o ex-governador na resenha do livro 'Privataria Tucana'

Denise Madueño, de O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2012 | 20h37

O presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), manifestou nesta quarta-feira, 1º, repúdio e indignação ao artigo veiculado pelo site da Revista de História, publicação patrocinada pelo governo federal e ligada ao Ministério da Cultura. De autoria de Celso de Castro, o texto no site da revista afirma "Privataria Tucana prova que a reportagem de investigação está viva e José Serra, aparentemente, morto".

 

Na nota, encaminhada à ministra da Cultura, Ana de Hollanda, o presidente do PSDB afirma que, a pretexto de exaltar o livro A Privataria Tucana, o artigo no site ataca o ex-governador e outros integrantes do partido, sem, no entanto, nominá-los, "de forma grosseira e descabida" e veicula "falsas acusações e insinuações" contra a honra de Serra.

 

"Para se caracterizar como uma resenha, com o mínimo de idoneidade esperável nessa publicação, o artigo não poderia deixar de mencionar o papel do autor do livro (Amaury Ribeiro Jr.) no comitê da campanha presidencial do PT em 2010, nem os processos criminais a que responde por corrupção de agentes públicos e violação do sigilo fiscal de José Serra e outras pessoas", diz a nota do PSDB.

 

Guerra afirma ainda que o site não poderia repetir acusações sem consistência e fundamento, ressaltando que a ofensa se agrava por ter os nomes da presidente Dilma Rousseff e o da ministra entre os responsáveis pela publicação, ao lado do conselho editorial.

 

"O PSDB, que é o verdadeiro alvo dessa vilania, presa sua história e seus valores. Por isso, continuará combatendo o aparelhamento político-partidário desenfreado do estado brasileiro e seus efeitos secundários indesejáveis. Lamentamos constatar que nem uma instituição como a Biblioteca Nacional está a salvo desse processo degradante", conclui a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.