PSDB pode apoiar candidatura de Jader

O PSDB do Senado está examinando a possibilidade de fechar questão em torno da candidatura do senador Jader Barbalho (PMDB-PA) à presidência do Senado e punir o senador que desobedecer a decisão. A informação é do vice-líder do PSDB, senador Romero Jucá (RR), um dos defensores do fechamento de questão para que o acordo selado entre PSDB e PMDB seja rigorosamente cumprido no Senado. "Quem quiser se candidatar contra Jader que saia do PSDB", advertiu o senador. O recado tem endereço certo: o tucano Lúcio Alcântara (CE), ligado ao governador Tasso Jereissati, que chegou a ser apontado como terceira alternativa para a sucessão de Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA). Tanto Alcântara quanto seu colega, Luiz Pontes (PSDB-CE), resistem em apoiar Barbalho. Além dos dois, são considerados ainda como indecisos os senadores Nilo Fonseca, suplente de Artur da Távola (secretário de Cultura do Rio de Janeiro) e Lúcio Coelho (PSDB-MS). Apesar dessa situação no meio tucano, os coordenadores da candidatura de Jader Barbalho contam como certo o voto do senador Ademir Andrade (PSB-PA), que abriria uma dissidência na oposição. Andrade, segundo peemedebistas, já teria negociado inclusive a manutenção de um cargo na Mesa para seu partido, que tem três senadores. Para Ademir Andrade, o bloco de oposição, formado pelo PT, PDT e PPS, precipitou-se ao lançar o nome do senador Jefferson Peres. "Mas, se sua candidatura não se viabilizar, discutiremos outra opção de apoio", disse o senador. Para tornar viável, Peres teria de contar com o apoio do PFL, segundo avaliação de Ademir Andrade. Uma possibilidade, portanto, já afastada pelo próprio PFL. Segundo Ademir, o PSB não participará formalmente do bloco oposicionista, pois prefere manter-se numa posição de independência na Casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.