'PSDB perde seu presidenciável mais governista'

Na análise de Jose Roberto de Toledo, 'blefe ou não, o PT sempre ventilou que teme mais confronto com Aécio'

Jose Roberto de Toledo,

17 de dezembro de 2009 | 18h31

Confirmada a desistência do governador Aécio Neves de concorrer à Presidência, o PSDB terá perdido um candidato com mais potencial de adotar um discurso "governista" do que José Serra. A eleição de 2010, tudo indica, será marcada pela alta taxa de aprovação do governo Lula. Logo, mesmo um candidato de oposição não poderá bater de frente com o atual presidente da República.

 

Uma das razões de Serra liderar todas as pesquisas de intenção de voto até agora é o fato de que ele é, entre todos os presidenciáveis, o mais conhecido, de longe. E a principal razão de ser tão lembrado pelo eleitorado nacional foi ter disputado a Presidência contra Lula em 2002. Logo, o governador de São Paulo encarna mais um candidato oposicionista do que Aécio.

 

Se, como no Chile, a campanha oposicionista resolvesse levar ao ar durante a propaganda eleitoral uma imagem do seu candidato com o atual presidente, para tirar proveito de sua popularidade, seria mais fácil para o PSDB encontrar uma foto de Aécio e Lula juntos, sorrindo, do que a mesma cena com Lula e Serra. Blefe ou não, o PT sempre ventilou que temia mais um confronto com Aécio do que com Serra.

 

A manter-se a relação de 7 em cada 10 eleitores apoiando a atual gestão do Palácio do Planalto, um candidato de oposição que queira ter chances de ganhar terá que adotar um discurso que prometa não apenas manter, mas "dobrar" os programas mais bem aceitos de Lula, como Bolsa Família, isenção de IPI para carros e eletrodomésticos, ProUni, Minha Casa Minha Vida e por aí afora.

 

Na boca de quem esse discurso soaria mais "autêntico"? Na de Aécio ou na de Serra? Se o governador de Minas de fato renunciou à disputa, talvez o PSDB prefira nem pensar na resposta a essa pergunta.

Tudo o que sabemos sobre:
PSDBSerraAécioeleições2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.