PSDB pede suspensão de peça do PT por 'tentar iludir população'

Os tucanos alegam que as duas peças estimulam o ódio, o preconceito e a divisão de classes, além de usar da "mentira" para tentar iludir a população

RICARDO BRITO, O Estado de S. Paulo

10 Abril 2015 | 13h33

Brasília - O PSDB entrou na manhã desta sexta-feira, 10, com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para suspender duas peças publicitárias veiculadas na última terça-feira, 07, nas inserções nacionais da propaganda do PT. Os tucanos alegam que as duas peças estimulam o ódio, o preconceito e a divisão de classes, além de usar da "mentira" para tentar iludir a população.

Em uma das peças, o vídeo cita o fato das prisões realizadas nos governos do PT: "Colocamos mais gente importante na cadeia por corrupção do que nos outros governos. Quem é contra tudo isso acha que pode nos odiar". Na outra inserção, o PT também cita a inclusão social e o combate à corrupção ao dizer que o partido "ajudou a reescrever a história do Brasil", mas não menciona o "ódio" à legenda.

Para o PSDB, as peças desrespeitam as regras que regem a divulgação das propagandas partidárias. Segundo os tucanos, a exibição das imagens combinada com o texto induz o "espectador a ter a infiel crença de que o PT, ou a sua gestão à frente do Poder Executivo, foi aquele que efetivamente autorizou a prisão de pessoas por crimes de corrupção".

"É que, como é sabido, não é o partido político quem realiza prisões, seja ou não aquele que ocupa o poder em determinado momento. As instituições incumbidas de garantir a segurança pública são autônomas, notadamente para efeitos de determinação ou execução de prisões", rebateu o PSDB.

Os tucanos pedem a concessão da liminar para suspender as peças e, no julgamento do mérito da ação, a cassação do direito à propaganda do PT no quíntuplo do tempo correspondente.

Mais conteúdo sobre:
PSDBpublicidadePTDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.