PSDB pede convocação de envolvidos em esquema em São Paulo

Operação Porto Seguro investiga envolvimento de servidores na emissão fraudulenta de pareceres técnicos para beneficiar empresários

Rosa Costa, de O Estado de S. Paulo

26 de novembro de 2012 | 17h17

BRASÍLIA - O PSDB quer ouvir a ex-chefe de gabinete da representação da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha, e demais envolvidos no escândalo da Operação Porto Seguro, deflagrada na última sexta-feira, 23, pela Polícia Federal, em Brasília e São Paulo.

Autor do requerimento encaminhado à Comissão de Fiscalização e Controle convidando Rosemary a depor, o líder do PSDB, senador Alvaro Dias (PR), disse que na outra vez em que ela foi convidada a falar na CPI dos Cartões Corporativos, o pedido foi rejeitado pelos senadores governistas. Ela seria ouvida sobre os "gastos exorbitantes" do cartão que utilizava.

"O governo blindou seu comparecimento, mostrando que a relação dela com o poder é de muita intimidade", alegou. O líder lembrou que Rosemary chegou a acompanhar o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva em viagens oficiais.

A operação Porto Seguro investiga o envolvimento de servidores na emissão fraudulenta de pareceres técnicos para beneficiar empresários. No requerimento dirigido à comissão, o senador tucano quer ouvir ainda os diretores da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo e Paulo Rodrigues Vieira, além do auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) em São Paulo, Cyonil da Cunha Borges.

Já na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), o líder pede o comparecimento do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; do advogado-Geral da União Luis Inácio Adams, e seu ex-adjunto, José Weber Holanda Alves, e dos superintendentes da Polícia Federal em São Paulo, Roberto Troncon Filho, e do Patrimônio da União, Evangelina de Almeida Pinho.

Alvaro Dias também encaminhou requerimento à Comissão de Infraestrutura convidando a depor os diretores da Anac, Marcelo Pacheco dos Guaranys e Rubens Carlos Vieira, além do diretor-presidente da Antaq, Tiago Pereira Lima, o chefe de gabinete, Ênio Dias Soares, o Procurador-Geral, Glauco Alves Cardoso Moreira, e o ouvidor Jailson Santos Soares. Outro pedido do líder é para ouvir na Comissão de Educação (CE) o consultor Jurídico do Ministério da Educação, Esmeraldo Malheiros Júnior.

O senador encaminhou, igualmente, pedido ao superintendente da Polícia Federal em São Paulo, Roberto Troncon Filho, de compartilhamento de informações e documentos referentes à Operação Porto Seguro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.