PSDB não teme CPIs na Assembléia Legislativa, diz Beraldo

A decisão judicial que permitiu a instalação das CPIs da Eletropaulo e da Guerra Fiscal na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo não preocupa o PSDB, disse o deputado estadual reeleito e atual presidente do PSDB em São Paulo, Sidney Beraldo. Para o deputado, entretanto, a instalação de CPIs que tivessem objeto definido, apelo social e atualidade, além de assuntos que tivessem necessidade de fiscalização e apuração, seria mais produtiva."Acho que essa instalação seguindo a ordem cronológica é um pouco fora de ordem e do esquadro, principalmente num final de mandato. Essas são matérias bastante vencidas, sem um objeto claro e definido", afirmou. "Precisávamos buscar o entendimento de forma que tivéssemos mais produtividade na Assembléia de São Paulo", acrescentou.Segundo o deputado, a instalação das duas CPIs foi realizada em momento inoportuno, pois a Assembléia ainda não votou a Lei de Diretrizes Orçamentárias e o orçamento do Estado para 2007. "Essas são questões sobre as quais acho que deveríamos nos debruçar no momento. Acho que dar condições de o novo governo começar o ano com tranqüilidade e orçamento aprovado já a partir de 1.º de janeiro é prioritário", considerou.OposiçãoEle aproveitou para alfinetar a bancada da oposição, liderada pelo PT, que comemora a decisão judicial que permitiu a instalação de CPIs por votação de um terço da Assembléia, substituindo o regimento anterior, que exigia votação da maioria dos deputados. "Há de se considerar que a situação da Assembléia Legislativa é muito diferente do que ocorreu no Congresso Nacional. Aqui nós não tivemos nenhum escândalo que pudesse realmente criar uma indignação na população, por isso também a dificuldade de se instalar uma CPI", afirmou, citando denúncias relacionadas ao governo federal que foram objetos de CPIs.Para Rui Falcão, deputado eleito pelo PT, a instalação das duas CPIs foi muito importante porque permite que o poder público estadual seja fiscalizado da mesma forma como o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi investigado. Ele ressaltou, porém, que mais importante que as duas comissões aprovadas seria a instalação da CPI do Rodoanel. "A instalação se justifica até pelos novos elementos que vieram à luz, como a denúncia de que o senhor Manfred von Richtofen teria se apropriado de recursos de superfaturamento quando era diretor do Dersa", explicou.Segundo o deputado, a bancada do PT ainda não definiu se pretende retomar todas as CPIs que foram arquivadas durante a gestão de Geraldo Alckmin (PSDB), que somadas às duas aprovadas, chegam a 69. "Isso vai ser objeto de discussão da nossa bancada", concluiu.Já Vanderlei Siraque, deputado pelo PT, considerou "estranha" a colocação de Beraldo a respeito da necessidade de a LDO ser aprovada. "Acho estranha a atitude do deputado porque nós do PT entramos com uma ação judicial com mandado de segurança no Tribunal de Justiça para que a LDO seja apreciada na Assembléia Legislativa", afirmou. "Se a bancada do PSDB quiser apreciá-la, nós estamos à disposição, só que evidentemente não do jeito que eles desejam. Nós queremos analisá-la de acordo com o parecer da Comissão de Orçamento da Assembléia Legislativa de São Paulo", acrescentou.Segundo o deputado, o PFL e o PSDB dão a impressão de que não desejam a aprovação da LDO e do orçamento. "Certamente o governador eleito, José Serra (PSDB), não confia no governo anterior e talvez ele queira fazer um projeto diferente do que fez o PSDB nos últimos 12 anos no Estado de São Paulo", opinou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.