PSDB não está dividido, diz Alckmin

O governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) afirmou hoje que o partido não está dividido em relação ao futuro do senador José Roberto Arruda (PSDB-DF), mas espera o fim da investigação sobre o caso para tomar uma decisão. Ex-líder do governo na Casa, Arruda foi acusado de participar da violação do painel de votação do Senado. "Diante do problema, se investiga, esclarece, não deixa dúvida e se tiver responsabilidade, pune", disse Alckmin. "É isso que se faz numa democracia", completou.Alckmin evitou antecipar a opinião do governo paulista sobre o futuro partidário de Arruda. Mas a tendência do PSDB paulista, manifestada já na semana passada, é a de pedir o desligamento de Arruda. A expulsão será tema de discussão na reunião de hoje da executiva estadual do PSDB. Em recente encontro, realizado em Belém (PA), o partido decidiu retomar a bandeira da ética, fato que deve influenciar na definição do futuro de Arruda.Para Alckmin, a decisão sobre a permanência ou expulsão de Arruda não deve ser precipitada. "Vamos esperar o tempo necessário para que a Comisão de Ética do Senado apresente seu trabalho", disse, sem precisar quanto tempo. Sobre a disputa para a Presidência da República, em 2002, Alckmin não quis se manifestar sobre para quem iria o apoio do governo paulista - o governador Tasso Jereissati (CE) ou o ministro da Saúde José Serra. "O governo do Estado de São Paulo não tem candidato. O PSDB vai ter, no ano que vem." Alckmin participou hoje da abertura da Campanha Nacional de Vacinação do Idoso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.