PSDB não deve se antecipar por causa de Dilma, diz Aécio

Governador de Minas defende que partido escolha o candidato de 2010 até o final deste ano

EDUARDO KATTAH, Agencia Estado

12 de fevereiro de 2009 | 14h20

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), afirmou nesta quinta-feira, 12, que o PSDB não deve antecipar a definição da candidatura tucana ao Palácio do Planalto por conta da estratégia que vem sendo seguida pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, nome preferido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à sucessão e que já cumpre agenda de pré-candidata.   Veja também: Reunidos com FHC, tucanos querem apressar nome para 2010   "Não acho que a agenda do PSDB deva ser construída em função da agenda daqueles com os quais nós disputaremos. O PSDB deve ter a sua estratégia", defendeu o governador. Para Aécio, o momento ideal para a definição da candidatura tucana ao Palácio do Planalto, bem como os projetos e as propostas do partido, seria o final deste ano, por meio da realização das prévias para a escolha do candidato.   "Não vejo a menor necessidade em antecipar esse prazo. Da mesma forma que não acho também prudente que façamos como nas últimas eleições e deixemos para março ou abril a indicação do candidato. Parece que no final o ano, no que depender do meu esforço, através da consulta ampla às bases partidárias, nós podemos ter o nosso candidato e as principais bandeiras que vão conduzir o projeto do PSDB", afirmou.   O governador mineiro concordou, porém, com as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de que a antecipação da campanha pelo governo federal poderia gerar questionamentos quanto à utilização da máquina pública. "Esse cuidado, eu acredito que a ministra terá, o próprio governo federal deverá ter", declarou.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010PSDBAécio Neves

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.