PSDB na presidência? Dirceu ironiza idéia

O jantar na sexta-feira em São Paulo era um desagravo à "honra" do ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu, mas o fotógrafo Sebastião Salgado não dourou a pílula ao avaliar o governo Lula. "Estou decepcionado, como todo mundo. E profundamente decepcionado com o salário mínimo a R$260, que para mim é uma contradição na base. Como pode fazer Fome Zero com um mínimo desses?" Anfitrião, o escritor Fernando Morais abriu o jantar exaltando a "honorabilidade" do ministro. Entre os que manifestaram solidariedade a ele após o episódio Waldomiro Diniz estavam atores como Ítala Nandi e Paulo Betti, além do arquiteto Oscar Niemeyer. O ministro disse que "continua carente", apesar de haver superado o episódio. "Não chorei, devia ter chorado. O presidente disse que ficou surpreso de ver como me abati, por ser honesto. Apesar de grave, o caso Waldomiro não tinha a importância que foi dada a ele. Foi dada importância por causa da minha história. Era a nossa vida e a nossa história que estavam em jogo", falou Dirceu, dirigindo-se aos convidados da geração de 1968. Para Dirceu, o desgaste não irá se refletir nas próximas eleições. "Desgaste governamental não pode ser confundido com potencial eleitoral", disse, desdenhando das pretensões tucanas para a corrida presidencial. "PSDB eleger presidente em 2006? Esquece. Isso é espuma. É mais fácil Garotinho se eleger." Disse ser "evidente" que também ele e o presidente não estão satisfeitos com o governo. E que vai permanecer no cargo. "Por mim o João Paulo e o (José) Sarney continuam lá (no comando do Congresso)." Entre amigos, Dirceu se mostrou relaxado. Ao chegar, Ítala Nandi parou no centro da sala com as mãos na cintura e, olhando em direção ao ministro, que conversava com Niemeyer, sapecou: "Quero beijo, e tem que ser na boca." O chefe da Casa Civil, mesmo acompanhado da mulher, Maria Rita, obedeceu. Eles relembraram os tempos em que Dirceu era contador do Teatro de Arena. "Ele era um gatão", disse Ítala. "No fundo o pessoal tem ciúme dele, por ser tão bonito e preparado. É um fênix."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.