PSDB monta agenda conjunta para Serra e Aécio

Para mostrar unidade, partido costura presença dos dois pré-candidatos lado a lado no Recife

Julia Duailibi, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2009 | 00h00

O PSDB se mobilizou para sinalizar unidade no partido e conseguiu costurar a presença de seus dois pré-candidatos à Presidência em 2010, os governadores José Serra (SP) e Aécio Neves (MG), em uma agenda com líderes do partido amanhã no Recife. Carregada de simbolismo, a viagem a Pernambuco é um fato político importante nas discussões internas do PSDB para a sucessão. Mostra um esforço dos tucanos para manter a unidade, num momento em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua candidata à sucessão, Dilma Rousseff, percorrem o Brasil juntos - ontem a ministra estava ao lado de Lula em encontro com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na Casa Branca. Se não houver nenhuma surpresa em sua agenda administrativa até segunda, Serra deverá comparecer aos eventos agendados no Recife ao lado de Aécio. O governador mineiro já havia confirmado sua participação na semana passada. Para Aécio, a viagem integra o giro que pretende fazer pelo País a fim de divulgar seu projeto político de 2010. O mineiro defende a realização de prévias pelo partido para escolher o candidato tucano.No Recife, os tucanos deverão participar do lançamento do livro Daquilo que eu sei - Tancredo e a transição democrática, do ex-deputado Fernando Lyra. Também haverá no fim do dia a inauguração do Auditório Ruth Cardoso, no Instituto Teotônio Vilela. O último compromisso marcado para a noite será um jantar na casa do presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), que juntará os principais líderes políticos do Estado.A costura do encontro contou com grande empenho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que se encontrou na sexta-feira com Aécio em São Paulo. Aécio havia manifestado aos líderes tucanos insatisfação com o posicionamento do ex-presidente. Notícias divulgadas no começo da semana mostraram que Fernando Henrique havia criticado as prévias e defendido a ideia de que Serra seja o candidato do partido nas eleições de 2010. Aécio sentiu as declarações e chegou a responder publicamente, ao dizer na terça-feira que não se constrói um projeto de País "a partir de alguns gabinetes da Avenida Paulista". UNIÃOLíderes tucanos temem que a insistência de Aécio em disputar a indicação do partido na eleição do ano que vem possa levar a um racha. Isso porque parte significativa da legenda aposta no nome de Serra, mais bem posicionado nas pesquisas, para levar o partido de volta ao Planalto.Para a direção nacional do PSDB, o ideal seria buscar um consenso entre os dois pré-candidatos. Fernando Henrique, por exemplo, é um dos principais entusiastas do lançamento de uma chapa tucana puro-sangue, encabeçada por Serra e com Aécio na vice. O mineiro, no entanto, diz descartar essa hipótese.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.