PSDB lança candidatos à sucessão de FHC

O programa eleitoral do PSDB, que vai ao ar nesta quinta-feira à noite em cadeia nacional de rádio e televisão, é o primeiro da campanha do partido para as eleições presidenciais de 2002.Com 20 minutos de duração e apresentado por Gugu Liberato, o programa exibe todos os presidenciáveis do PSDB, enaltece mudanças no País conquistadas ao longo do governo Fernando Henrique Cardoso, reafirma compromisso pela ética e moralidade e, por fim, faz uma homenagem ao ex-governador de São Paulo Mário Covas, morto no dia 6 de março. "Este programa faz parte de uma seqüência que vai terminar em 2002", afirmou o secretário-geral do PSDB, deputado Marcio Fortes (RJ).No programa, que custou cerca de R$ 400 mil, os três ministros presidenciáveis do partido - José Serra (Saúde), Paulo Renato Souza (Educação) e Pimenta da Veiga (Comunicações) - aparecem apontando as benfeitorias feitas pelo governo nas áreas sociais.Serra ressalta a redução do preço dos medicamentos; Paulo Renato fala sobre a bolsa escola; e Pimenta da Veiga, sobre o barateamento do preço dos telefones. Outro presidenciável que merece destaque no programa é o governador Tasso Jereissati, do Ceará, que enumera os investimentos do atual governo na erradicação ao analfabetismo, na redução da taxa de mortalidade e na melhoria do saneamento básico.O governador de São Paulo, Geraldo Alckimin, também é um dos personagens do programa ao falar sobre a restrição nos gastos impostos com a Lei de Responsabilidade Fiscal. Por fim, o presidente Fernando Henrique Cardoso aparece mostrando as ações de seu governo para enfrentar problemas crônicos do País, como o desemprego.Afirma que o Plano Real não foi um atalho, fala em seus anos "de luta contra a ditadura" e garante que seu governo "é intransigente na luta contra a corrupção".O presidente da Câmara, deputado Aécio Neves (MG), e o senador Teotônio Vilela (AL), presidente do PSDB, são os únicos parlamentares que tiveram espaço no programa."Foi uma ciumeira danada, teve um monte de gente reclamando por não aparecer no programa", contou Márcio Fortes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.