PSDB já tem 3 nomes para CPI da Petrobras, diz Virgílio

O líder tucano deixou claro que oposição não vai desistir de negociar para conseguir presidência ou relatoria

LEONARDO GOY, Agencia Estado

19 de maio de 2009 | 16h12

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse nesta terça-feira, 19, que o partido já selecionou três nomes para integrar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras: os senadores Álvaro dias (PR), autor do requerimento que pediu a instalação da CPI; Tasso Jereissati (CE) e o presidente do partido, Sérgio Guerra (PE). "Isso mostra nossa seriedade e respeito. Estamos homenageando a Petrobras com esses nomes", disse. Entretanto, ele afirmou que a composição final da participação do partido na comissão dependerá de negociações com o DEM.

 

Veja também:

linkGoverno não monta 'tropa de choque' para CPI, diz Múcio

link'Será uma CPI de defesa da Petrobras', diz líder do PSDB

linkBase descuida e oposição cria CPI da Petrobras

link MP pede investigação à manobra contábil da Petrobras

especialVeja o que será apurado pela CPI da Petrobras

O bloco de oposição terá direito a três vagas de titulares e duas suplências. A ideia, segundo Virgílio, é que o partido que fique com apenas um titular e dois suplentes. O líder tucano deixou claro que a oposição não vai desistir de negociar para conseguir a presidência ou a relatoria da comissão. Porém, o governo já fala em ficar com os dois cargos. "Aqui no Congresso existe a praxe do rodízio e de que uma força política preside a comissão e outra relata. Devemos seguir o rodízio", disse.

O senador Álvaro Dias, que participou com Virgílio da reunião com a bancada do partido no gabinete de Jereissati, afirmou que "tratorar a oposição é um péssimo começo". Virgílio acrescentou que o uso de uma tropa de choque por parte da base aliada na CPI não vai impedir as investigações nem a pressão da sociedade civil por esclarecimentos. "Nós queremos é reestatizar a Petrobras, já que hoje ela está nas mãos de alguns grupos", afirmou. O líder tucano também comentou o protesto marcado pelos petroleiros para a quinta-feira contra CPI. "Eles têm essa mania de truculência. Mas se quiserem debater, eu vou."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.