Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

PSDB indica Telhada para Direitos Humanos

Ex-comandante da Rota que tem 36 mortes em ação policial é escolhido pela bancada tucana para uma vaga em comissão temática da Assembleia

Ricardo Chapola e Marcelo Godoy, O Estado de S. Paulo

09 Maio 2015 | 03h00

São Paulo - A bancada do PSDB na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) indicou o deputado estadual Coronel Telhada, ex-comandante das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), para uma das três vagas a que o partido tem direito na Comissão de Direitos Humanos da Casa. A escolha contrariou parte dos parlamentares tucanos. Por ora, porém, a liderança do PSDB diz que vai manter o ex-PM na comissão.

Na sexta, ao compartilhar uma notícia sobre sua indicação, Telhada afirmou que “agora sim teremos na Alesp uma comissão de Direitos Humanos que realmente se preocupará com os direitos de todos os cidadãos”. Para o tucano, “policiais militares são os verdadeiros defensores dos direitos humanos, pois diariamente arriscam suas vidas por outros humanos e juraram sacrificar as próprias vidas se preciso for pela vida dos outros humanos”.

Telhada começou na política em 2012, três anos depois de ter assumido o comando da Rota, notória tanto pelo papel no combate ao crime organizado como pela letalidade de suas operações. No currículo, tinha 32 anos de carreira, 36 mortes em ações pela Polícia Militar e 80 elogios em sua ficha. Ao estrear nas urnas, foi eleito vereador na capital pelo PSDB.

No ano passado, Telhada tornou-se o segundo candidato mais votado para a Assembleia, atrás apenas do colega de bancada Fernando Capez (PSDB), reeleito para o terceiro mandato. Hoje presidente da Casa, Capez não quis comentar a indicação de Telhada para a Comissão de Direitos Humanos. “Esse assunto diz respeito à responsabilidade das bancadas, não da presidência”, desconversou.


Líder da bancada do PSDB na Assembleia, Carlão Pignatari é o responsável formal pela escolha. Disse que o próprio Telhada pediu a indicação. “Ele já integrava a Comissão de Direitos Humanos da Câmara quando era vereador”, afirmou Pignatari. “Ele manifestou interesse por defender os direitos humanos dos policiais mortos.”

Além de Telhada, o PSDB tem direito a mais dois nomes na comissão: Hélio Nishimoto e Carlos Bezerra Jr., que deve presidir o colegiado, conforme acordo partidário. Tradicionalmente, o PT pleiteava o comando da Comissão de Direitos Humanos – no ano passado, esse papel era de Adriano Diogo, que não foi reeleito –, mas a divisão mudou na atual legislatura.

Ressalvas. Parte da bancada tucana viu com ressalvas a indicação de Telhada e vai tentar demovê-lo da ideia. O ex-comandante da Rota, porém, parece irredutível. Telhada também foi indicado pelo PSDB para as Comissões de Segurança Pública, Atividades Econômicas e Assuntos Metropolitanos e Municipais – nesta última, o tucano ocupa o cargo de vice-presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.