PSDB e PT fecham acordo para votar sete MPs hoje

O líder do governo na Câmara, deputado Arnaldo Madeira (PSDB-SP), e o líder do PT na Casa, deputado João Paulo Cunha (SP), fecharam acordo para votar, na sessão de hoje, sete das 20 medidas provisórias (MPs) que estão trancando a pauta do plenário.Trata-se das seguintes MPs: a número 15, que fixa prazo para a adesão à repactuação das operações de crédito rural; a número 16, que regulamenta a tributação da renda dos fundos de pensão; a 17, que trata da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematógrafica Nacional; a 18, que regulamenta o subsídio aos preços e ao transporte do álcool combustível e aos preços do gás liquefeito de petróleo (GLP, ou gás de cozinha); a 19, que abre um crédito extraordinário de R$ 13 milhões para ações emergenciais da Defesa Civil no atendimento a dez municípios da Baixa Fluminense e Região Serrana do Rio; a número 20, que abre crédito extraordinário de R$ 2,8 bilhões para investimentos de empresas estatais, principalmente a Refinaria Alberto Pasqualini (Refap); e a 23, que abre crédito extra de R$ 115 milhões para o Ministério dos Transportes e Ministério da Integração Nacional para ações emergenciais de Defesa Civil na Região Nordeste e no Estado de Minas e de obras emergenciais em rodovias.A bancada do PT só deve destacar emendas na votação da MP 18, que trata do subsídio ao GLP e ao álcool combustível. As emendas petistas estão sendo preparadas pelo deputado Luciano Zica (SP).Uma nova rodada de negociações entre governo e oposição deverá ocorrer nesta quarta-feira, em nova tentativa dos dois lados de destrancar a pauta do plenário ainda nesta semana com a conclusão da votação das MPs, o que permitiria que próxima semana se vote a proposta de emenda constitucional que prorroga a CPMF até 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.