PSDB do Paraná oficializa Beto Richa ao governo

O evento, ocorrido em Pinhais também confirmou o nome do deputado federal Ricardo Barros (PP) para uma das vagas ao Senado

Julio Cesar Lima, de O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2010 | 12h21

CURITIBA - Depois de derrotar o senador Alvaro Dias na pré-convenção do PSDB há três meses, o ex-prefeito de Curitiba, Beto Richa, foi oficializado neste sábado, 19, pela Convenção Estadual do PSDB, o candidato do partido ao governo do estado. O evento, ocorrido em Pinhais (Região Metropolitana de Curitiba) também confirmou o nome do deputado federal Ricardo Barros (PP) para uma das vagas ao Senado.

 

O suspense sobre o provável apoio do senador Osmar Dias (PDT) à chapa tucana, no qual ele ocuparia uma das vagas ao Senado, foi mantido. Um dos motivos é o apoio do PDT nacional à candidatura da ex-ministra Dilma Rousseff, e o apoio aos tucanos paranaenses traria problemas para a campanha petista.

 

Além da vaga ao senado, o partido indicaria o candidato a vice, o deputado estadual Augustinho Zucchi. Caso a estratégia não dê certo, os tucanos poderão lançar o deputado federal Gustavo Fruet ou o senador Flávio Arns para a segunda vaga ao Senado. Além do PP, já confirmado, e do PPS que deve decidir pela coligação no dia 30, o PSDB deverá ter o apoio também do DEM, PSB, PMN, PTB, PTN,PHS e PSDC.

 

Em uma entrevista coletiva no local da convenção, Richa mostrou otimismo sobre o apoio de Dias e apenas aguarda a liberação do Diretório Nacional para fechar a aliança. "Sempre disse, nunca escondi a admiração que tenho pelo senador Osmar Dias. Conseguimos reeditar a forte coligação que fizemos em 2004, 2008 e 2006, acredito que esse é o caminho natural do PDT. Conosco ele não terá nada a explicar para opinião pública. Juntos nós temos melhores condições de apresentar melhores soluções e alternativas. Mas vamos aguardar com uma expectativa bastante otimista. Ele mostrou seu desejo e o PDT quer estar com o PSDB no nosso estado. Se não for possível, temos valorosos companheiros que poderão completar a chapa. Quanto ao vice, nós vamos conversar, mas não abro mão que a palavra final seja minha", observou.

 

Na opinião de Ricardo Barros, a composição política está forte muito e deverá melhorar com a entrada de Osmar no páreo. Sobre o Projeto Ficha Limpa, Barros, que teve seu nome citado pelo TSE, aprovou a entrada em vigor do projeto. "Ele foi ao encontro do que a sociedade queria, mas somente os casos de improbidade dolosa eliminariam alguma candidatura, o que não ocorreu", afirmou.

 

Já o senador Flávio Arns, preterido pelo PSDB, criticou o processo político da legenda. "Que garantia temos que na frente o PP ou PDT continuarão como aliados. É por isso que as pessoas continuam votando em candidatos, não em partidos", disse o senador, que questiona a decisão tucana junto ao Diretório Nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.