PSDB define votação em bloco pela cassação de Renan

A Executiva nacional do PSDB e a bancada do partido no Senado decidiram fechar questão em favor da cassação do mandato do presidente do Senado, Renan Calheiros. "Evidente que vai haver defesa (de Renan no plenário) e pode acontecer algo extraordinário. Mas, à luz dos acontecimentos de hoje, temos a convicção de que Renan não tem condições de continuar na presidência do Senado", defendeu o presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati.O PSDB tem 13 votos no Senado. O único senador liberado pela direção partidária para votar como quiser no julgamento de Renan foi João Tenório, de Alagoas. Ele é suplente do governador de Alagoas, Teotônio Vilela. Tenório também é amigo pessoal de Renan e aliado político do presidente do Senado no Estado. O PSDB ainda não tomou uma posição no que se refere à possível sucessão no Senado. Em conversas informais, Tasso tem defendido a candidatura de Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE). O líder da bancada no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse, na reunião, que seu partido não quer "nada, nem ninguém velho para substituir Renan. Politiqueiro, não. Ligado a Oligarquias, não", disse Virgílio, que na reunião pregou o veto a Sarney. O partido também defendeu o voto aberto, mas como o PPS já recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir que a sessão de julgamento não seja fechada, tucanos avaliaram que não será necessário repetir o gesto dos socialistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.