Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo

PSDB define modelo de prévias que impõe derrota a Doria

Modelo definido para escolha do candidato da sigla à Presidência, com peso menor para filiados sem mandato, marca derrota de governador

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2021 | 15h23
Atualizado 15 de junho de 2021 | 22h25

O PSDB definiu nesta terça-feira, 15, o modelo de prévias para a escolha do nome do partido que disputará a Presidência em 2022. O resultado representou uma derrota do governador de São Paulo, João Doria, um dos pré-candidatos. Por 21 votos a 11, a Executiva Nacional decidiu que a eleição interna será indireta e que os votos dos filiados sem mandato eletivo têm peso menor, ao contrário do que desejava Doria.

Pela resolução aprovada, o colégio eleitoral será formado por quatro grupos de votantes – (1) filiados; (2) prefeitos e vice-prefeitos; (3) vereadores, deputados estaduais e distritais; (4) governadores, vice-governadores, ex-presidentes e o atual presidente da Comissão Executiva Nacional, deputados federais e senadores. Cada um desses grupos tem peso de 25% no total dos votos.

Doria minimizou o revés sofrido na definição do modelo de prévias do PSDB para a escolha do candidato tucano ao Palácio do Planalto em 2022. “Não fui eleito com o voto da máquina, mas do povo”, afirmou o governador ao Estadão

Diante da derrota, os aliados de Doria, que defendiam eleições diretas, ainda fizeram uma tentativa de redução de danos: dividir o colégio eleitoral em dois blocos, sendo que 50% do peso seria dos filiados e outros 50% dos mandatários e dirigentes. Como São Paulo tem 22% dos 1,36 milhão de filiados do PSDB, o modelo que dava peso maior para a base favoreceria o governador paulista.

Quatro nomes já se apresentaram como presidenciáveis tucanos. Além de Doria, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, o senador Tasso Jereissati (CE) e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio. As primárias estão marcadas para 21 de novembro.

A resolução, que segue a proposta apresentada pela Comissão das Prévias, foi defendida pelo presidente do partido, Bruno Araújo (PE). “Esse modelo prestigia o equilíbrio entre os filiados e detentores de mandato, que são mais de 5 mil. Dá chance real a todos”, disse o dirigente ao Estadão. 

De acordo com o novo calendário aprovado pela Executiva, os candidatos farão suas inscrições em 20 de setembro, com início dos debates em 18 de outubro. A comissão das prévias que elaborou o relatório inicial foi formada pela prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro; o presidente do PSDB-SP, Marco Vinholi; o senador Izalci Lucas (DF); os deputados federais Pedro Vilela e Lucas Redecker; e o ex-deputado Marcus Pestana, sob a coordenação do ex-presidente do PSDB, José Aníbal.

A leitura de tucanos ouvidos pela reportagem após a reunião da Executiva é que o placar da votação simboliza as dificuldades do governador paulista na burocracia partidária e nas bancadas.

O preferido nestas duas frentes, que representam a maioria do colégio eleitoral, é o senador Tasso Jereissati. O problema, dizem integrantes da cúpula do PSDB, é que Tasso não tem feito movimentos claros de que deseja realmente concorrer.

Nesse cenário, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, é visto como um “plano B”. Os “doristas”, por sua vez, apostam na vacinação como o maior trunfo do governador paulista e acreditam que ele vai crescer nas próximas pesquisas. 

Para compensar a desvantagem na máquina partidária, Doria vai fazer uma ofensiva junto aos líderes políticos do PSDB nos Estados: vereadores, prefeitos, vice-prefeitos, deputados estaduais, governadores e vices.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.