PSDB decide entrar com quatro representações contra Sarney

Líder tucano temia que apenas uma representação facilitasse o arquivamento do caso pelo Conselho de Ética

Agência Brasil,

28 de julho de 2009 | 16h49

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), afirmou nesta terça-feira, 28, que o partido vai ingressar com quatro representações no Conselho de Ética contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). O pedido para que a sigla apresentasse quatro representações diferentes, e não apenas uma, foi feito nesta manhã, pelo líder tucano, Arthur Virgílio (AM). As representações podem levar à cassação do mandato do peemedebista.

 

Veja também:

especialESPECIAL: a trajetória de José Sarney

somÁUDIO: Ouça os diálogos que ligam Sarney a atos secretos e a Agaciel

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

linkPresidente do Conselho de Ética emprega 'fantasma'

 

Segundo Virgílio, o ingresso de quatro representações evitaria, entre outros argumentos, que o presidente do Conselho de Ética, senador Paulo Duque (PMDB-RJ), aliado político de Sarney, arquivasse as denúncias contra o presidente do Senado "em uma só canetada".

 

Sérgio Guerra também confirmou que a entrega das representações no Conselho de Ética será feita nesta tarde. O líder do partido já havia apresentado quatro denúncias contra Sarney ao colegiado. A primeira pede a investigação de José Sarney por suposta responsabilidade indireta no escândalo dos atos secretos do Senado. Segundo Virgílio, Sarney foi o responsável pela indicação de Agaciel Maia, investigado por uma série de irregularidades administrativas enquanto ocupou a Diretoria-Geral da instituição durante 14 anos.

 

Outra denúncia, que será assumida agora pelo PSDB, acusa o presidente do Senado de envolvimento direto no desvio de recursos de patrocínio da Petrobras, liberados para a Fundação José Sarney. Uma terceira representação questionará o uso de servidores do Senado na segurança da residência de Sarney no Maranhão.

 

O último pedido de investigação ao Conselho de Ética, encaminhado por Virgílio, responsabiliza Sarney diretamente na elaboração e assinatura de atos secretos. O parlamentar toma como base a divulgação das gravações telefônicas - feitas com autorização judicial pela Polícia Federal - em que aparece Sarney numa conversa com o filho, o empresário Fernando Sarney, tratando de um emprego para o namorado de uma das netas do presidente.

 

Caso a representação seja aceita pelo presidente do conselho e instaurado o processo de cassação, o julgamento no colegiado se dá em votação aberta. Para ser levado ao plenário da Casa, é preciso que a maioria dos conselheiros aprove o pedido de cassação. A decisão final sobre a perda do mandato parlamentar é tomada por todos os senadores em votação secreta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.