PSDB de SP quer veto à publicidade eleitoral em muro

Decisão de liberar os muros para a propaganda política conseguiu unir PSDB e PT

AE, da Agência Estado

26 de agosto de 2009 | 09h25

Depois de uma reunião com 150 pessoas e presidentes de todos os diretórios zonais do PSDB paulistano, o partido decidiu enviar carta ao prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM). No documento, eles pedem o veto ao projeto de lei, aprovado na Câmara Municipal, que abranda as proibições da Lei Cidade Limpa, em caso de propaganda política, liberando a utilização de muros residenciais. A decisão contraria a bancada de vereadores do partido. Dos 12 parlamentares da legenda, apenas Gilberto Natalini se manifestou publicamente contra a brecha.

A carta foi assinada pelo presidente do diretório municipal do PSDB, José Henrique Reis Lobo. "Se isso realmente acontecer, 2010 será o ano em que vamos assistir à degradação da cidade, como nos anos anteriores aos da lei." Para Carlos Bezerra, líder do PSDB, o texto é "fruto da desinformação do presidente Lobo". "Quem o assessora não tem o histórico das informações. O que nós fizemos foi a correção de uma imprecisão no projeto de lei que acabava com o Cidade Limpa. Era um projeto que, na prática, o atropelava e criava um desordenamento jurídico na cidade."

A decisão de liberar os muros para a propaganda política conseguiu unir PSDB e PT. "A proibição de usar os muros cria desigualdade com as campanhas de outras cidades. Os candidatos novos teriam dificuldade em se divulgar", afirma José Américo, vereador e presidente do PT paulistano. O prefeito, que não se manifestou oficialmente sobre a carta de Lobo, deve sancionar a mudança. Ele avalia que qualquer decisão relativa às eleições de 2010, que são nacionais, deve ser tomada pelo TSE. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.