PSDB dá poder a sua cúpula para decidir sobre vice de Serra e coligação

Partido abre brecha para adiar escolha e delegar definição para executiva municipal

Bruno Boghossian, do estadão.com.br

19 de junho de 2012 | 17h14

O PSDB paulistano abriu uma brecha para que a cúpula do partido tenha o poder de escolher o vice de José Serra e as coligações da sigla na disputa pela Prefeitura de São Paulo. Com a manobra, o partido pretende adiar a decisão sobre a escolha do vice de Serra e sobre a formação de uma aliança eleição para vereador. Os dois pontos são motivo de polêmica dentro do PSDB e com as legendas aliadas.

 

O edital de convocação da convenção do partido - que vai oficializar a candidatura tucana no próximo domingo, 24 - também delega competência à executiva municipal da legenda para decidir se formará uma coligação com PSD, DEM, PR e possivelmente o PV na eleição para vereador.

 

O texto assinado nesta terça-feira, 19, pelo presidente municipal do PSDB, Julio Semeghini, coloca na pauta da convenção a nomeação do vice e a decisão sobre as coligações, mas prevê uma "delegação de competência à Comissão Executiva Municipal" para a "escolha de candidatos a vice-prefeito e vereador", além de uma "deliberação sobre outras coligações". O edital será publicado no Diário Oficial na quinta-feira, 21.

 

Os tucanos temem que não haja consenso no partido para a escolha do companheiro de chapa de Serra até o dia da convenção. A definição do partido que vai indicar um nome para a vaga depende de um julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que pode determinar se o PSD, do prefeito Gilberto Kassab, tem direito a uma fatia maior do fundo partidário e de tempo de TV na propaganda eleitoral.

 

O julgamento está previsto para quinta-feira. Caso o PSD vença o embate jurídico, ganhará capital para exigir a vice e indicar o ex-secretário municipal de Educação Alexandre Schneider. Nesse cenário, o DEM seria prejudicado e perderia espaço na TV e no fundo partidário. Por outro lado, se o PSD for derrotado, o DEM vai insistir em indicar Rodrigo Garcia para a vice.

 

Ao abrir espaço para que a executiva municipal decida sobre a coligação de vereadores, a cúpula do PSDB também quer evitar um revés para Serra na convenção do partido. Ao receber o apoio do PSD, do DEM, do PR e do PV, a equipe do pré-candidato prometeu a esses partidos a formação de uma chapa única na eleição para a Câmara Municipal - o que beneficiaria os aliados.

 

Grupos tucanos - entre eles um time de aliados do secretário estadual de Energia, José Aníbal - faz uma campanha interna contra a coligação de vereadores e ameaça barrar a proposta de formação de uma chapa única na convenção. Eles alegam que o PSDB perderia vagas na Câmara Municipal caso precisem dividir espaço com os partidos aliados. Nesse tipo de coligação, o número de vereadores eleitos por chapa é calculado a partir da soma de votos recebidos pelos partidos que integram a chapa.

 

Serra pediu que o governador Geraldo Alckmin agisse para impedir uma derrota de sua candidatura dentro do partido, mas ainda não há consenso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.