PSDB dá início a processo de revitalização nos Estados

O presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), deu detalhes nesta sexta-feira, em Fortaleza, sobre o processo de revitalização pelo o qual o partido vai passar ao longo deste ano. De acordo com ele, houve uma reunião da Executiva Nacional na terça-feira para discutir o assunto. Nela, ficou acordada a criação de três grupos de trabalho. Um para a atualização do programa tucano, outro para traçar uma radiografia do partido Estado por Estado, e um terceiro grupo que tratará de refazer e estudar a linguagem de comunicação com a sociedade brasileira. Os tucanos organizarão uma série de seminários nos quais serão discutidos os rumos da nova social-democracia a partir do fim da bipolarização que existia no mundo entre os sistemas comunista e capitalista. No final, será realizado um Congresso Nacional com a presença de convidados internacionais. "Estamos fazendo contatos com outros partidos desde os Estados Unidos, passando pela Europa até a Índia, e discutindo o que é a nova social-democracia e, em cima disso, definir o nosso novo programa", afirmou Tasso. Reformulação do programa O primeiro grupo de trabalho, o da reformulação do programa partidário, terá como coordenadores operacionais Marisa Serrano e José Aníbal. Caberá ao ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, segundo informou Tasso, a coordenação intelectual deste grupo. "A definição de temas, os convidados internacionais, ou seja, esse trabalho mais intelectual é do Fernando Henrique", explicou o presidente do PSDB. Márcio Fortes e Antero Paes de Barros cuidarão da radiografia tucana, ou seja, como o partido é visto pela sociedade. Para isso, uma consulta já está em andamento. "A idéia é ter uma noção, através de pesquisa, da visão que o povo brasileiro, do ponto de vista setorial, do ponto de vista regional, tem da política brasileira e, especificamente, do PSDB hoje e do papel que ele deveria desempenhar", apontou Tasso. Também está previsto um estudo de incentivo a novas filiações. Por fim, o presidente dos tucanos reafirmou a disposição de a escolha do próximo candidato do partido a disputar a Presidência da República ser feita através de eleições primárias, a exemplo do que acontece nos Estados Unidos. Disse que os governadores de Minas Gerais, Aécio Neves, e de São Paulo, José Serra, estão participando ativamente dessas discussões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.