PSDB convida opositora venezuelana para ida ao Brasil

O esforço demonstrado pelo PSDB nos últimos dias para se envolver na causa da oposição da Venezuela faz parte de uma estratégia do partido para ocupar um "vácuo" deixado pelo que os tucanos consideram "omissão cúmplice" do governo brasileiro em relação à escalada de repressão de Nicolás Maduro contra seus opositores. Essa foi a explicação dada à reportagem pelo senador Aécio Neves para sua participação no Seminário Internacional América Latina: Desafios e Oportunidades, onde o tucano deu palestra na manhã de ontem.

FELIPE CORAZZA, ENVIADO ESPECIAL, Estadão Conteúdo

28 de março de 2015 | 09h40

Aécio convidou as mulheres de dois líderes opositores venezuelanos presos - o ex-prefeito Leopoldo López e o ainda prefeito de Caracas Antonio Ledezma - para uma visita ao Congresso. Caso a ideia avance, Lilian Tintori e Mitzy Capriles Ledezma devem viajar ao País no fim de abril.

O plano é que, após a passagem por Brasília, as duas regressem à Venezuela acompanhadas por uma comissão de parlamentares brasileiros. Aécio afirmou que está à disposição para integrar o grupo, que deve ser definido no âmbito da Comissão de Relações Exteriores da Casa e, segundo o tucano, precisa ser suprapartidário. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
PSDBVenezuelareforma política

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.