Andre Dusek|Estadao
Andre Dusek|Estadao

PSDB considera que desfecho de processo sobre cassação da chapa Dilma-Temer se arrastará até 2018

Autores da ação, tucanos acreditam que haverá pedido de vista por parte de alguns dos ministros do TSE

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

30 Março 2017 | 16h19

BRASÍLIA - Autores do processo de cassação da chapa presidencial de Dilma Rousseff e Michel Temer de 2014, integrantes da cúpula do PSDB consideram que o desfecho do julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se arrastará por pelo menos até 2018.

Apesar dos avanços das investigações e da previsão de o processo começar a ser discutido na próxima terça-feira, 4, na avaliação dos tucanos haverá pedido de vista (mais prazo para se avaliar o processo) por parte de alguns dos ministros da corte eleitoral. Tomada essa iniciativa, o ministro, ou os ministros que pedirem vista, não têm um prazo para concluírem suas análises.

Entre os argumentos considerados por integrantes do PSDB para que o processo se arraste pelos próximos meses está a instabilidade que uma possível cassação da chapa, por parte do TSE, poderá causar na combalida economia do País. No entendimento de tucanos da cúpula do partido, mesmo o TSE não tendo a palavra final, uma vez que o processo poderá ser levado ao Supremo Tribunal Federal (STF), uma condenação da chapa pela Corte Eleitoral poderá criar desconfianças nos investidores esternos.

Além disso, caso o presidente Michel Temer tenha o mandato cassado, ninguém saberá responder quando e quem será colocado no comando do País, o que aumenta ainda mais o quadro de incertezas. Diante desse horizonte, tucanos consideram que os ministros do TSE vão atuar de olho nos possíveis impactos de uma decisão da Corte e deixarão para o próximo ano o julgamento, quando estará e curso a sucessão presidencial de 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.