PSDB conclui recontagem de dados do Sensus

Segundo cientista político ligado ao PSDB dados digitados são iguais aos divulgados; PSDB diz ainda questionar 'como e se' as 2 mil entrevistas foram realizadas

Daniel Bramatti - O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2010 | 21h21

O instituto Sensus divulgou nesta segunda-feira, 19, documento assinado na madrugada de sábado pelo cientista político Fabrizio Tavoni, ligado ao PSDB, após a conferência de 2 mil questionários da pesquisa colocada sob suspeita pelos tucanos, por apontar empate técnico entre José Serra e Dilma Rousseff.

 

O documento afirma que “os dados digitados (pela equipe que conferiu os questionários) são iguais aos divulgados” pelo Sensus. Para Ricardo Guedes, diretor do instituto, a declaração “atesta que não houve fraudes ou irregularidades”.

 

Tavoni desautorizou essa interpretação. Disse que ainda há “suspeição” sobre os dados divulgados. Análise preliminar do PSDB destaca, entre outros pontos, que “é impossível saber quantas entrevistas foram realizadas em cada cidade”.

 

Para Ricardo Penteado, advogado do PSDB, o que o partido coloca em dúvida é “como e se” as 2 mil entrevistas foram realizadas.

Tudo o que sabemos sobre:
PSDBpesquisaSensuseleições 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.